Para 45% dos urussanguenses, economia vai melhorar

Números da pesquisa IPC também revelam qual o pensamento dos moradores de Urussanga sobre os níveis de desemprego no país

- PUBLICIDADE -

O Tribuna de Notícias divulgou durante essa semana os índices apontados pelo questionário aplicado pelo Instituto de Pesquisa Catarinense (IPC) em Urussanga. Hoje, na última parte do levantamento, serão evidenciados os sentimentos dos urussanguenses para os temas economia, desemprego e corrupção.

Com relação à economia do país, o que se observa é que os moradores de Urussanga estão mais positivos com a perspectiva de uma melhora no cenário. Dos entrevistados, 45% responderam que a situação econômica do Brasil vai melhorar nos próximos meses. Os que acham que continuará como está são 33,7% e os que pensam que a economia vai piorar somam 14,7%. Há, ainda, os que não souberam opinar, com 6,6% das respostas.

- PUBLICIDADE -

Redução do desemprego 

Os participantes da pesquisa também foram questionados sobre o que pensam que acontecerá com o desemprego no país. Ainda que de forma mais tímida, a maioria também se mostrou mais otimista em relação ao tema: 38,7% responderam que acreditam que o desemprego irá diminuir. Os mais pessimistas, que acham que o desemprego aumentará, somam 22,7%. E os que relataram que continuará no mesmo patamar são 29,7%. Os que não souberam dizer representam 8,9% dos entrevistados.

A projeção mais positiva dos urussanguenses sobre o tema é refletida no números apresentados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. O índice aponta o saldo entre a admissão e demissão de pessoas com carteira assinada no país.

De janeiro a abril deste ano, em Urussanga, esse saldo foi positivo, ou seja, houve mais contratações do que demissões na cidade, contando apenas os empregos formais. O índice aponta que foram efetuadas 1.113 admissões contra 865 desligamentos, resultando em 248 vagas geradas.

No acumulado dos últimos 12 meses o cenário também é positivo para Urussanga. Entre abril de 2018 e 2019 o saldo apresentado é de 454 trabalhadores a mais com carteira assinada. Os dados de maio deste ano ainda não foram divulgados pelo órgão.

Matéria completa na edição desta sexta-feira do Tribuna de Notícias

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.