Marcha a Brasília: Pacto Federativo entre os focos da plenária de abertura

Na avaliação de gestores municipais, poucos anúncios concretos foram feitos pelo presidente Jair Bolsonaro, durante discurso no evento

Foto: Divulgação/Antonio Rozeng
- PUBLICIDADE -

Brasília

A plenária de abertura da XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, realizada nesta terça-feira, 9, foi marcada pela expectativa dos prefeitos em relação ao Pacto Federativo e ao discurso do presidente Jair Bolsonaro. O evento contou ainda com a participação e fala dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; do Senado, Davi Alcolumbre; e da Conferência Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi.

- PUBLICIDADE -

O presidente da República iniciou o discurso pedindo o apoio dos gestores municipais nos desafios futuros, como em relação à Reforma da Previdência. Bolsonaro foi enfático e reforçou que é necessário investir em ciência, tecnologia e inovação, para não depender de outros países. Além disso, entre os anúncios feitos por ele esteve o 13º salário do Bolsa Família e o aumento do percentual do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “Vamos dividir o pouco que temos com o Pacto Federativo”, afirmou Bolsonaro.

Avaliações dos prefeitos

Entretanto, na avaliação da comitiva de prefeitos da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) que participa da Marcha a Brasília, o discurso de Bolsonaro foi genérico, já que a expectativa era de anúncios mais contundentes em relação ao Pacto. “Ele falou em Deus, falou das viagens que fez e fará, da importância da União, mas não falou dos programas que ele pretende lançar no seu Governo em relação aos municípios”, analisou o segundo vice-presidente da Amrec e prefeito de Içara, Murialdo Canto Gastaldon.

Quanto à fala do presidente da CNM, Gastaldon avalia que Aroldi fez um mosaico do que é a Administração Municipal em todos as áreas, ressaltando a importância do prefeito e da equipe no desenvolvimento do Município e as formas como os serviços são financiados. “Ele foi preciso a partir desse diagnóstico, da carência dos financiamentos do Governo Federal”, pontuou.

O prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin, também ponderou sobre as falas das autoridades. Segundo ele, Aroldi foi bem, focando na cobrança das reformas. “O discurso do presidente da CNM foi direto e enfático sobre aquilo que preciso ser feito no Brasil”, sublinhou o gestor.

Na visão de Magagnin, tanto o presidente da Câmara quanto o do Senado também entenderam o recado, que as reformas são necessárias. Já com relação ao discurso de Bolsonaro, o gestor municipal acredita que a fala foi no sentido de pedir apoio da população, para realização das reformas e para viabilizar mais discursos dos municípios.

Amrec presente

Oito prefeitos da Região Carbonífera estão em Brasília participando do evento. Além de Içara e Cocal do Sul, estão presentes os gestores municipais de Lauro Müller, Orleans, Nova Veneza, Forquilhinha, Morro da Fumaça e Siderópolis. Acompanham a delegação o presidente da Câmara de Vereadores de Içara, Rodrigo Mendes, o Sapinho, e o diretor executivo da Amrec, José Roberto Madeira.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Brasília

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.