Celesc dá mais um passo para obras na Via Rápida

Previsão é de que licitação das obras de iluminação seja lançada até setembro

Crédito: Lucas Colombo
- PUBLICIDADE -

Conforme cronograma apresentado na semana passada à Câmara de Vereadores de Içara, a Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) realizou ontem uma reunião com as duas cooperativas de eletrificação que possuem concessão de trechos de abrangência da Via Rápida. Participaram do encontro técnicos da Cooperaliança, de Içara, e da Coopera, de Forquilhinha.

A reunião foi necessária, pois, como possuem a concessão do trecho, as cooperativas precisam indicar os projetos para ligação da iluminação às suas redes. Também era necessário que as duas concessionárias aprovassem a realização da obra pela Celesc.

- PUBLICIDADE -

De acordo com o presidente da Cooperaliança, Reginaldo de Jesus, o Dedê, não há de sua parte qualquer empecilho para que os serviços iniciem. “Para a Cooperaliança não existe impedimento, o que nós queremos é ver a rodovia iluminada, porque garante mais segurança”, afirma.

Ele também comenta que, a partir de agora, os engenheiros de sua equipe farão um projeto relativo à sua área de abrangência para entregar para a estatal. “Ficou definido que nós temos 20 dias para entregar um projeto dos pontos de ligação da nossa área, depois a Celesc vai integrar esse projeto ao projeto-mãe da iluminação, até para incluir nos custos”, conta Dedê.

“Da nossa parte serão três os pontos de ligação com a nossa rede: no Bairro Segunda Linha, no Bairro Terceira Linha e na própria ligação com a BR-101, mas também engloba os trevos e os retornos”, acrescenta.

Já com relação à Coopera, a definição foi ainda mais simples. Segundo o presidente, Walmir Rampinelli, a cooperativa não tem mais a concessão do trecho marginal à Via Rápida, a área já foi repassada à própria Celesc e, nesse caso, não há no que a Coopera interferir no projeto.

 

Matéria completa na edição desta terça-feira do Tribuna de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.