Urussanga: Empresa se manifesta sobre caso em Rio Carvão

Coqueria afirma que atende exigências previstas pelas legislações ambientais

- PUBLICIDADE -

Urussanga

Por meio de uma nota oficial, a empresa UM Urussanga Minérios Ltda. se pronunciou sobre a situação do empreendimento na comunidade de Rio Carvão, em Urussanga. Na última semana, moradores relataram ao jornal Tribuna de Notícias que a fuligem exalada pelas chaminés da coqueria tem causado transtornos a quem reside nas proximidades. Porém, o empreendimento afirma que, sempre que necessário, está se adaptando e segue as legislações vigentes.

- PUBLICIDADE -

Confira o comunicado na íntegra:

Devido à alteração na legislação a que estava submetida até dezembro de 2018, a UM Urussanga Minérios Ltda. promoveu a instalação de novos equipamentos, com objetivo de adequar-se à Resolução CONAMA 436, legislação mais restritiva que a anteriormente aplicada às coquerias, buscando adequar-se dentro do prazo estabelecido por lei.  Para  averiguação e comprovação do funcionamento dos equipamentos implementados, realizou-se medições e os resultados de suas emissões atmosféricas (fontes estacionarias) atendem aos limites estabelecidos,  cujos relatórios comprovaram o ajustamento à nova lei.

Concomitante a isso, a empresa, atendendo solicitação dos moradores vizinhos, contratou monitoramento da Qualidade do Ar, em três pontos da vizinhança,  por um período de 60 dias consecutivos, durante as 24h do dia, portanto, todas as condições operacionais serão contempladas.

Justamente para atender a essa demanda de possível sazonalidade é que foi acordado fazer  o monitoramento de forma contínua.

Os pontos de coleta foram determinados pela própria comunidade , juntamente com o IMA, não tendo a participação da empresa nem mesmo nas reuniões entre IMA e comunidade.

Houve uma proposta da empresa em monitorar por período de 12 meses, 5 dias a cada mês, visto esse período abranger todas as alterações climáticas. Entretanto a proposta foi  recusada pelos moradores,  seguindo-se então, com a proposta inicial de 60 dias.

Findos os primeiros 30 dias, em relatório parcial, as medições mostraram que a qualidade do ar está entre boa e regular, atendendo também  a legislação.

Estamos aguardando a finalização deste monitoramento para enviar ao IMA e MPF o relatório final.

O monitoramento das fontes estacionárias foram executadas em regime de operação, acompanhado por técnico do IMA e feito por empresa contratada, que realiza esse serviço para quase a totalidade das empresas da região. O monitoramento da qualidade do ar é realizado pela UNESC, entidade com credibilidade incontestável.

Para atender os limites da Resolução Conama n° 436, a empresa está emitindo material particulado em quantidade 7 vezes menor que o permitido pela legislação anterior, portanto causa estranheza a colocação da comunidade que a situação está piorando. Em 2015 já havia sido realizada perícia que constatou que os níveis de emissões não são prejudiciais à saúde, resultados esses corroborados pelas avaliações mais recentes. A empresa está operando no Rio Carvão desde 1947 e desde lá vem se adaptando e atendendo à legislação a ela aplicável.

Além disso, a empresa é receptiva ao exercício responsável e fundamentado de críticas e solicitações. O próprio Ministério Público vem reconhecendo que a empresa se mostra disposta a realizar as melhorias necessárias e adota postura conciliatória.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Urussanga

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.