Criciúma: Desrespeito no trânsito gera multas e transtornos

Em um ano, município registra 2,3 mil infrações de veículos parados em faixas de pedestres e 3,1 mil multas por estacionamento irregular

Foto: Suelen Bongiolo/DN
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Independente de ser pedestre, ciclista ou motorista, é comum para qualquer pessoa se deparar com situações no trânsito que implicam em transtornos ou que geram riscos aos usuários. Seja a dificuldade em atravessar a faixa de pedestres, porque os veículos não param, seja a falta de bom senso de quem cruza a rua fora do local adequado ou de quem estaciona de forma irregular, não faltam exemplos de problemas enfrentados no cotidiano. Em Criciúma, algumas situações têm provocado um número elevado de autuações, todas registradas na Diretoria de Trânsito e Transporte (DTT) do município.

- PUBLICIDADE -

Ao longo de 2018, os radares eletrônicos instalados em semáforos da cidade registraram 2.343 autuações de veículos que pararam sobre a faixa destinada a pedestres. Já os agentes de trânsito e policiais militares identificaram sete casos desse tipo. “Se considerar que no ano passado ficamos quatro meses sem fiscalização eletrônica (pela troca de empresa e de equipamentos), então o número é alto. Essa infração tem valor de quatro pontos na carteira e multa de R$ 130,16”, pontua o gerente de operações de trânsito e transporte da DTT, Paulo José Borges.

Mas não são apenas as paradas nas faixas de pedestres que geram transtornos e multas. No ano passado, Criciúma registrou mais de 3 mil infrações relacionadas a estacionamento irregular. Os casos envolvem também as passagens para pedestres, pontos de carga e descarga, locais que exigem curta duração e pisca-alerta ligado e em vagas do rotativo. “Em todos os casos cabe autuação e, como medida administrativa, remoção do veículo”, reforça Borges.

Confira a reportagem completa na edição desta sexta-feira, 12, do jornal Diário de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.