Criciúma: construção do mirante ainda não tem data para iniciar

Alguns pontos do projeto estão sendo ajustados pela Prefeitura, que pretende reenviá-lo ao Governo Federal até o fim deste mês, para que seja submetido à aprovação

Imagem: Divulgação/Prefeitura de Criciúma
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Inicialmente previsto para ser inaugurado no aniversário de Criciúma, o Mirante Realdo Guglielmi ainda não tem data para começar a ser construído. Atualmente, o projeto está na Secretaria Municipal de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana, onde passa por ajustes técnicos para que possa ser novamente encaminhado ao Ministério das Cidades. A intenção da Prefeitura é que a proposta seja reenviada ao Governo Federal até o fim deste mês.

- PUBLICIDADE -

Somente após o projeto ser totalmente aprovado é que a construção será autorizada pela Caixa Econômica Federal. “Após isso, o Município abrirá prazo de licitação para ver quem executará a obra. A previsão para ela ser concluída é de 18 a 24 meses, entre a liberação até o mirante ficar pronto”, explana o diretor de Turismo de Criciúma, Ismail Ahmad Ismail.

O projeto é de um mirante de 30 metros de altura, que será construído no Morro Cechinel, nas proximidades de um restaurante, onde possibilitará que os visitantes tenham uma visão ampla da cidade. O investimento, orçado em R$ 2,4 milhões, é do Ministério do Turismo.

Conforme o diretor municipal, a construção dessa estrutura agregará de diferentes formas à cidade. “Tem toda a questão de ser um equipamento a mais para o turismo e também de que todo o entorno poderá ser aproveitado, com trilhas ecológicas, restaurantes… É algo que vai poder estar em constante melhoria. Há uma gama grande de possibilidades”, destaca Ismail.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.