Bicicletas serão reativadas no Parque das Nações

Previsão é de que sistema de empréstimo já esteja disponível ao público a partir da semana que vem

Daniel Búrigo
- PUBLICIDADE -

As bicicletas que há alguns anos movimentaram os frequentadores do Parque das Nações Cincinato Naspolini, em Criciúma, agora estarão de volta à ativa. A previsão é de que na próxima semana 10 delas já estejam à disposição do público que queira pedalar pelos mais de 15 mil metros quadrados da área de lazer no Bairro Próspera.

Lançado em 2015 com o nome de Bike das Nações, o projeto de empréstimo de bicicletas para uso no parque seguiu sendo realizado pelo ano seguinte e depois foi descontinuado. Naquela época, a responsabilidade dos parques da cidade e, consequentemente do projeto, era da Fundação Cultural de Criciúma (FCC).

- PUBLICIDADE -

No início deste ano, ao assumir a coordenação das áreas de lazer criciumenses, o presidente da Fundação Municipal de Esportes (FME), Nícola Martins, decidiu retomar a ideia. “Nós encontramos as bicicletas paradas e guardadas embaixo do palco do parque. Levamos elas para a oficina para dar uma geral e agora estamos reorganizando o projeto para disponibilizar novamente já em breve”, afirma Martins. “Nós estamos apenas decidindo em qual ponto elas vão ficar e também qual será a logística do empréstimo, isso ainda não temos definido”, complementa.

Nesse primeiro momento, das 17 bicicletas que estavam guardadas no parque, 10 serão colocadas à disposição para empréstimo aos frequentadores. “Vamos começar com essas 10, que são as que já foram para a oficina e estão em condições de uso. À medida em que as outras forem para a oficina e ficarem prontas, também serão incorporadas ao projeto”, explica o presidente.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.