Tigre: Doriva celebra a estreia de Ceará

Técnico usa a opção de velocidade, com o atacante, que dá resultado para a vitória do Criciúma sobre o Tubarão no Majestoso

Foto: Lucas Colombo/Arquivo/DN
- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Baixinho, rápido e driblador. Desde os 17 minutos do segundo tempo, o Tigre contou com Ceará em campo, na vitória diante do Tubarão por 1 a 0. A entrada do atacante, no lugar do pouco efetivo Pedro Bortoluzo, deu outra característica para a equipe de Doriva. O treinador comemorou a entrada do jogador e a estreia com gol. “A gente queria utilizar o Ceará porque ele tem essa característica do ‘um contra um’ e jogador mais leve. Estávamos carentes dessa posição. O Reis é um exímio jogador de beirada e tem uma inteligência tática fantástica, mas ele precisava de ajuda. O próprio Daniel (Costa) precisa de jogadores que penetrem para ele achar um passe. Com o Ceará, ganhamos esse tipo de situação”, celebrou.

Sem Marcinho Júnior, expulso diante do Tubarão, Ceará deve ter uma chance de começar diante do Brusque, na quarta-feira, novamente em casa.“O atleta quando entra bem, cava a posição. Teremos a ausência do Marcinho. Então, vamos estudar a melhor maneira de jogar contra o Brusque, vamos estudar a equipe deles nesses dias que restam e ver a melhor opção. Eu fico feliz com o atleta porque a gente estimula ele”, comentou Doriva.

A expulsão do camisa 11 será avaliada por Doriva. Entretanto, o treinador sabe que o jogador está com a “adrenalina alta” quando está em campo e acaba reagindo a provocações dos adversários. “Foi uma situação que precisamos avaliar direito. Se houve o revide, óbvio que vou conversar com ele. Não há a necessidade e era o momento de ficarmos em superioridade, mas a gente sabe que o atleta está em campo e não tem sangue de barata. Toda ação gera uma reação e ele teve a reação, que não é a melhor. A pessoa precisa ser equilibrada”, destacou o treinador.

Doriva destacou a importância da vitória no clássico, chamado de dérbi pelo treinador, mas destaca que o time precisa manter “os pezinhos no chão” para seguir evoluindo na competição. “A gente precisava reagir. Eu sempre digo para os atletas que a melhor forma de dar resposta é buscando uma vitória. Não foi fácil porque é um ‘dérbi’ regional, o Tubarão tem as suas virtudes e o jogo estava muito equilibrado. Acredito que, até a expulsão, estava muito equilibrado o jogo e depois que foram expulsos os dois atletas, a gente teve uma leve melhora, conseguimos controlar mais o jogo. No segundo tempo, exercemos uma pressão, colocamos mais velocidade na equipe e fizemos o gol. Conquistamos um resultado importante em nível de confiança e sequência da competição. Precisávamos da vitória. Com certeza, saímos satisfeitos com o jogo”, finalizou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.