- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Para o Tigre, o momento é decisivo no Campeonato Catarinense. Embora a partida contra o Hercílio Luz, hoje, às 20 horas, no Majestoso, ainda seja a última atrasada do primeiro turno, o Tricolor Carvoeiro precisa da vitória para seguir sonhando com a classificação para as semifinais do estadual. O time treinado por Doriva está sete pontos atrás do Marcílio Dias, quarto colocado na competição. Após o jogo contra o time da Cidade Azul, serão mais dois jogos em casa: contra o próprio Marcílio, no sábado, e diante da Chapecoense, no dia 10. “O momento da competição é agora: podemos apagar tudo o que fizemos, e não conseguimos ser tão eficientes assim, com essas duas vitórias em casa. Em princípio, ganharmos na quarta e no sábado. Eu acredito que, se conseguirmos vencer esses dois jogos, a gente vai reentrar na competição e, aí sim, vamos ter uma semana para descansar e recuperar os atletas para pensar na Chapecoense”, ressaltou o técnico Doriva, em entrevista coletiva.

A ansiedade toma conta não apenas dos jogadores, mas da comissão técnica. O treinador não se diz preocupado, mas sabe uma pressão para que o Tricolor Carvoeiro fique entre os quatro primeiros colocados. “No meu modo de ver, fizemos excelentes partidas. Perdemos jogos, infelizmente, por detalhe de futebol. A gente sabe que existe essa pressão. A gente quer muito chegar entre os quatro”, pontuou.

O treinador reforça que o Criciúma precisa fazer valer o mando de campo para fazer os resultados necessários. A situação ruim do Hercílio Luz no campeonato pode influenciar no desempenho. “Não tem jogo fácil. Quando a gente diz que é uma semana importante para nós, é justamente por isso. Sabemos que é uma semana decisiva para nós e para o adversário, mas nós temos que fazer valer o nosso mando de campo, a nossa qualidade e futebol é imposição. Temos que impor, como já nos impusemos a outros adversários em casa, mas com performance e acompanhando o resultado. Precisamos do resultado, que passa a ser fundamental para as nossas pretensões”, comentou.

Pressão da torcida chateia o treinador

As vaias que Pedro Bortoluzo recebeu ao entrar em campo diante do Oeste, pela Copa do Brasil, chatearam o técnico Doriva. Para o comandante, o torcedor deve apoiar os atletas dentro do campo e criticar apenas no final da partida. “Foi triste, a última vez que o Pedro entrou no campo aqui. Foi muito triste para mim, um desapontamento. Eu acredito que o torcedor tem que encorajar. No final do jogo, se o atleta não foi bem, tudo bem: você vaia, mas, durante o jogo, eu sou contra. Lógico que eu entendo também o lado do torcedor, ele é passional, acompanha e quer o melhor para o clube, como nós também”, enfatizou.

O treinador chegou a usar palavras mais fortes para reforçar a seriedade do trabalho feito pelos jogadores e comissão técnica. “Aqui dentro está cheio de homens, chefes de família, que estão buscando fazer o trabalho da melhor maneira possível. Não tem nenhum vagabundo aqui. Então, a gente sente por isso. Então, eu, como comandante, tenho que ter sensibilidade. E tive nesse momento. Vou tirá-lo um pouco, até para ele (Pedro Bortoluzo) respirar também”, disparou.

Campeonato Catarinense – 1º Turno – 9ª rodada (partida atrasada)

27/02 (Quarta-feira) – 20 horas – estádio Heriberto Hülse

CRICIÚMA

Luiz; Maicon, Federico Platero, Sandro e Marlon; Zé Augusto, Eduardo e Daniel Costa; Andrew, Julimar e Reis. Técnico: Doriva

HERCÍLIO LUZ

Tigre; Victor Guilherme, Zé Antônio, Carlão Farias e Léo Pereira; Carlão Moraes, Rudnei, Juliano, Vinícius Pacheco (Janderson) e Romário; Lima. Técnico: Oliveira Canindé

Arbitragem: William Machado Steffen; Auxiliares: Bruno Muller e Maicon Lemos Alves

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.