Escolas na Acic motivam alunos a pensarem no futuro profissional

Projeto educacional ocorreu na manhã desta quarta-feira, na sede da entidade empresarial

- PUBLICIDADE -

Para o estudante Rafael Nazário Colonetti, de 14 anos, a manhã desta quarta-feira, 22, foi de muito aprendizado e gratidão no Projeto Escolas na Acic. “Escutar a história de pessoas que alcançaram sucesso na vida e ver toda a empolgação e a dedicação deles foi muito bacana. É motivador para mim que tenho um grande sonho, ser um médico radiologista”, conta o garoto da Escola Municipal Lili Coelho. Os motivadores das quais o aluno do nono ano se refere são o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, e o artista plástico Dudu Rodrigues. Ambos contaram sua trajetória de vida aos cerca de 160 estudantes que estiveram na sede da entidade empresarial.

“Na idade de vocês eu vendia picolé, engraxava sapatos, trabalhei como garçom, sempre estudei em escola pública. Não cresci na vida por outros méritos a não ser pelo meu esforço e dedicação. Por isso, quero dizer o quanto a educação, a escola são importantes, além, é claro da família. A educação é uma continuidade da nossa vida, nunca podemos parar de aprender”, ressalta o presidente da Acic.

- PUBLICIDADE -

Um dos sonhos de Dagostin era trabalhar num banco, porém conseguiu ir muito além. “Tinha o sonho de trabalhar em um banco e também ser professor. Consegui me formar como professor, como contador e ainda advogado. Fui cursar Direito com quase 40 anos. Outro ensinamento que passo para vocês é nunca pararem de estudar, se aperfeiçoarem sempre. Para eu ser um bom contador, busquei a Faculdade de Direito, e depois me tornei empresário”, relata.

De faxineiro a artista plástico

O artista plástico Dudu Rodrigues, que expõe suas obras na galeria de arte da Acic, também relatou aos estudantes as grandes dificuldades que enfrentou para alcançar reconhecimento não só no Brasil, mas também no exterior. “Temos que ter visão do que estamos sonhando, do que queremos alcançar. Com apenas 15 anos consegui meu primeiro emprego e vejam de faxineiro em minha cidade natal São Paulo. Em menos de quatro meses passei de faxineiro para uma função em um banco e agarrei diversas oportunidades que me levaram para a formação acadêmica na área de Publicidade e de Artes”, detalha o artista.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.