Bons ventos para a construção civil do sul catarinense

Presidente do Sinduscon analisa 2018 e as perspectivas para este ano

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Um ano de boas perspectivas e um setor em franca evolução. Este é o panorama da construção civil da região destacado pelo presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Sul Catarinense (Sinduscon), Olvacir Bez Fontana, com base em levantamentos realizados pela própria Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), que consolidam a expansão do setor local no cenário catarinense.

- PUBLICIDADE -

Composto por 40 empresas, o Sinduscon abrange desde Morro da Fumaça a Passo de Torres, no Extremo Sul, e encerra 2018 de olho nas novas tendências e no mercado mundial visando o desenvolvimento local. São exatos 7.012 trabalhadores da construção civil nas empresas que compõem o Sinduscon, mão de obra que ajuda o Sul a pulsar.

Como forma de avaliar e organizar ainda mais o setor, considerado a alavanca da economia, os empresários atuantes participam de reuniões mensais para discutir e avaliar as demandas. Com aspecto otimista para 2019, Fontana analisa o atual cenário econômico do setor e as perspectivas com o novo cenário político.

As notícias são positivas e tendem a melhorar. O mercado da construção civil, nos primeiros sete meses de 2018, apresentou aumento de 4% no volume de negócios em relação a 2017.

Empreendedorismo

O presidente do Sinduscon atenta que, para acompanhar a evolução do setor da construção civil, como alavancar o crescimento do país, é mais que necessário investimento na infraestrutura, como em rodovias, hidrovias e ferrovias, bem como reaver as altas cargas tributárias. “O nosso país é novo ainda e no qual existem muitos empreendedores. Aliás, está no sangue do brasileiro o empreendedorismo, o trabalho. Entendo que a solução não está somente nas mãos do governo, mas está na mão do trabalhador. O governo deve concentrar seus esforços nas questões de saúde, educação e segurança. O restante, a iniciativa privada, sem essas amarras, sem a dificuldade de desenvolvimento da qual enfrenta a iniciativa pública, resolve”, acredita o presidente do Sinduscon.

Fontana caracteriza o setor como sendo a alavanca e o motor da economia. “Em um país onde a construção não é forte, não há crescimento. Se a construção no Brasil está estagnada, a economia também estará. Nosso setor movimenta uma intensa e grande cadeia produtiva e grande parte produzida nacionalmente. Quando você adquire um imóvel, é necessário em seguida comprar revestimentos, mobiliá-lo, decorá-lo, enfim. Desta forma mobiliza todo o mercado e diversos segmentos. Isto é a alavanca da economia da qual me refiro”, exemplifica.

Representatividade

No ano que passou, o Sinduscon teve como destaque a imponente representatividade. De acordo com Fontana, o Sindicato da Indústria é composto por fortes e importantes empresas e de intensa dimensão no cenário de Santa Catarina. “Estamos reunidos constantemente e tratando da defesa dos empresários. Muitos são os próprios fundadores das empresas, que ajudaram a dar forma à cidade, a construí-la e participar ativamente do crescimento do município, mudando a sua paisagem. Sempre respeitando a legislação, com obras 100% regulares”, afirma.

Conforme Fontana, o Sinduscon tem também participado intensamente de encontros e ações junto à Câmara Catarinense da Construção Civil e a Fiesc, feiras, como participado das decisões do município, haja vista a influência do setor. “Temos como costume fazer parte da sociedade, da comunidade. Somos influenciadores e temos como premissa incentivar o empreendedorismo”, complementa Fontana.

Principal desejo

E a construção civil vai além. O principal desejo do brasileiro vem deste setor, o chamado sonho da casa própria. “Ele (setor) existe para melhorar o país e o bem estar das pessoas. Somos construtores de lares, de espaços onde as pessoas, com o estresse do dia a dia, possam renovar as energias”, conclui Fontana.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.