Vice-governadora recebe balanço de ações em defesa da Mulher

Como resultado desta ação, o estímulo para a criação de conselhos municipais em defesa da violência contra a Mulher e o combate ao feminicídio é uma das principais ações que serão trabalhadas com o apoio direto das vereadoras.

- PUBLICIDADE -

Mais de 120 municípios catarinenses marcaram presença nas Rodas de Conversa realizadas para as regiões de Itajaí, Chapecó, Criciúma e Lages, pela Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher, em parceria com a Federação Catarinense de Municípios (Fecam). O número equivale a 42% dos municípios do Estado e as rodas juntas reuniram cerca de 400 pessoas.

Como resultado desta ação, o estímulo para a criação de conselhos municipais em defesa da violência contra a Mulher e o combate ao feminicídio é uma das principais ações que serão trabalhadas com o apoio direto das vereadoras. A informação é da Coordenadora Estadual da Mulher, Aretusa Larroyd e foi repassada em primeira mão para a vice-governadora Daniela Reinehr, em audiência.

- PUBLICIDADE -

O objetivo, conforme a Secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST), Maria Elisa De Caro é abrir espaços para o debate, conscientizar as mulheres sobre a importância de fazer a denúncia, ampliar o conhecimento de todas com relação às leis existentes, para que saibam onde buscar apoio e defesa.

A Coordenadora Estadual da Mulher relata que o empenho em proteção das mulheres e a união daquelas que atuam em posições estratégicas tem crescido a cada dia e a sensibilidade da vice-governadora, Daniela, faz a diferença junto aos grupos apoiadores. “Estamos nos fortalecendo cada vez mais, com ações simples, que não oneram os cofres e que inibem diretamente a violência”, comemora.

Segundo ela, os encontros contaram com debates importantes, construtivos, que foram utilizados muitos exemplos positivos que ocorrem em diversos municípios, como por exemplo, o projeto de lei da vereadora Camila do Nascimento, de Criciúma que proíbe à nomeação para os cargos em comissão e de confiança na administração pública, direta, indireta, fundos, fundações, autarquias, empresas públicas e no Poder Legislativo do município, de pessoas que tenham contra si condenação pela prática de violência contra a mulher. “Os municípios saíram bem comprometidos em fortalecer a política. Crescemos muito com isso. Uma carta foi apresentada no Fórum Parlamentar de Vereadoras Catarinenses, e escrita na Roda de Conversa da cidade de Lages, onde se comprometem em praticar algumas ações em suas cidades”, disse Aretusa.

Na carta, as mulheres confirmam atuar na execução de audiências públicas, apoio a criação de frentes parlamentares de homens que combatam a violência contra a mulher, plenárias de mulheres para debater o tema e ampliar as campanhas permanentes de conscientização. “Discutimos as ações intersetoriais que visam fortalecer a rede de atendimento e acolhimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. É preciso conscientizar cada vez mais as mulheres sobre a importância de denunciar o agressor e ampliar o conhecimento de todas com relação às leis existentes, para que saibam onde buscar apoio e proteção. Atuamos integralmente em defesa desta bandeira”, disse a vice-governadora, Daniela Reinehr.

Para a criação de conselhos municipais, a Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST) a secretária executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (CEDIM/SC) oferece apoio incondicional na implantação de cada conselho.

Informações sobre a criação do conselho, com passo a passo, podem ser obtidas no www.cedimsc.wordpress.com. Contatos podem ser feitos pelo cedim@sst.sc.gov.br ou pelo telefone (48) 3664.0643

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.