Sul de SC: Relatório aponta apenas um local impróprio para banho

Condições têm melhorado no Sul Catarinense: no ultimo balanço três locais eram desaconselhados pelo IMA

Foto: Lucas Colombo/DN
- PUBLICIDADE -

Matheus Reis

Balneário Arroio do Silva

- PUBLICIDADE -

Dos 40 pontos onde o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) analisa as condições da água, entre as cidades de Passo de Torres e Garopaba, apenas um foi considerado impróprio nesta semana. O relatório de balneabilidade foi divulgado na sexta-feira, 11. O ponto 2, na Rua P. Oliveira, a 100 metros ao Sul do arroio, em Balneário Arroio do Silva, é que deve ser evitados pelos banhistas e turistas. O local, que era considerado próprio até o relatório de 26 de dezembro, passou a receber a negativa no dia 2 de janeiro.

A notícia é boa, no entanto, para os banhistas e veranistas que visitam Passo de Torres, na divisa com o Rio Grande do Sul. No município, pela primeira vez nesta temporada, o ponto analisado no Braço Morto do Rio Mampituba, próximo à ponte, foi considerado próprio. Desde o dia 10 de dezembro, o IMA analisa o local.

Em Laguna, o ponto analisado na Prainha do Farol, na entrada da praia, também voltou a ser considerado próprio. No relatório da semana passada, o instituto não indicava o banho por lá. Com a mudança, todos os sete lugares avaliados na cidade são indicados aos banhistas.

Bandeiras azuis no Rincão

Em Balneário Rincão, a principal praia procurada pelos criciumenses, os oito pontos analisados são considerados próprios. Cinco são analisados na praia e há, ainda, avaliação nas Lagoas dos Freitas, dos Esteves e do Faxinal, locais com bastante procura de banhistas.

Ao total, dos 230 locais analisados em Santa Catarina, 60 são considerados impróprios.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.