Setransc busca apoio da Acic para o projeto do Porto Seco

O investimento para o asfaltamento do local, que possui 580.432 metros quadrados de área para construção, localizado na Rodovia Antônio Darós, no Bairro Primeira Linha, é de aproximadamente R$ 6 milhões

- PUBLICIDADE -

O presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, recebeu a vista do presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Sul Catarinense (Setransc), Lorisvaldo Piucco, e do diretor executivo, Luiz Cláudio Honorato. Na pauta, a busca de apoio da entidade empresarial para algumas bandeiras e projetos do sindicato. Entre eles, o Projeto do Porto Seco – Cidade dos Transportes. O projeto é esperado há mais de 20 anos e foi idealizado para reunir empresas de transportes e de serviços gerais com o intuito de desafogar o trânsito da área central de Criciúma.

“Apesar deste projeto ser de importância fundamental para o desenvolvimento regional, as nossas investidas nas mais diversas esferas das autoridades políticos governamentais não obtiveram o retorno esperado para que o projeto se tornasse realidade”, ressalta o presidente do Setransc.

- PUBLICIDADE -

O investimento para o asfaltamento do local, que possui 580.432 metros quadrados de área para construção, localizado na Rodovia Antônio Darós, no Bairro Primeira Linha, é de aproximadamente R$ 6 milhões. Com o asfaltamento, as empresas poderão instalar suas sedes no local. Muitas delas já possuem o terreno e aguardam para construir suas unidades.

“O Setransc tem todo o nosso apoio para a concretização deste projeto. Buscaremos nas nossas agendas também defender a importância desse projeto para o desenvolvimento da região”, coloca o presidente da Acic.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.