Polícia elucida homicídio contra jovem que foi esquartejado em Nova Veneza

Investigação apontou que dois adolescentes o mataram por vingança depois de deixá-lo agonizado. Padrasto de um deles ajudou a ocultar o cadáver

Imagem ilustrativa | Foto: Divulgação/PC
- PUBLICIDADE -

A Polícia Civil elucidou o homicídio de Carlos Alberto Padilha Santos, que foi encontrado morto esquartejado na segunda-feira, 4, no Bairro Bortolotto, em Nova Veneza.

De acordo com o delegado da 2ª Delegacia de Polícia (DP) de Criciúma, Ari José Soto Riva, que esteve comandando as investigações junto da Delegacia de Nova Veneza, após realizadas as investigações, dois adolescentes, de dezesseis anos de idade, ex-amigos da vítima, foram confirmados como autores dos crimes. Além dos jovens, o padrasto de um deles também está envolvido no crime. Conforme a polícia, ajudou na ocultação do cadáver.

- PUBLICIDADE -

Segundo Riva, a morte foi motivada porque o adolescente havia delatado um dos acusados à polícia como autor de crimes de furto e tráfico de drogas.

As investigações apontaram, ainda, que os adolescentes chamaram a vítima para fumar, já com a intenção de matá-la. Em determinado momento, de surpresa, sem oferecer qualquer chance de defesa à vítima, os adolescentes infratores pegaram pedaços de madeira, que estavam no chão, e desferiram vários golpes na altura da cabeça da vítima, fazendo com que ela caísse e ficasse desacordada, sangrando, agonizando. “Em torno de duas horas depois, eles retornaram e desferiram outros vários golpes de faca, fazendo várias perfurações no torax da vítima, o que teria causado a morte, colocando o corpo ao lado do rio, cobrindo-o com folhas”, esclarece o delegado.

A investigação apontou que no dia seguinte os adolescentes retornaram ao local do do ato e, cortaram os braços e o pescoço da vítima, separando, tanto esses membros, quanto a cabeça do tronco, a fim de que isto facilitasse o transporte para esconder o corpo. “Depois eles tentaram enterrar em um barranco às margens do rio, mas o buraco não foi suficiente. Por isso, eles retornaram para a casa pediram ajuda ao padrasto de um deles, para que fosse aberto um espaço maior a fim de enterrar a vítima, pedido esse que foi aceito pelo padrasto que auxiliou nesse sentido”, acrescenta Riva.

Todos os detalhes você confere na edição deste final de semana, 9 e 10 de março, do Jornal Diário de Notícias

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.