Padres se preparam para viver a Páscoa

O Santuário Sagrado Coração Misericordioso de Jesus, em Morro Bonito, interior de Içara, acolheu hoje (11) a Manhã de Espiritualidade Quaresmal do clero da Diocese de Criciúma.

- PUBLICIDADE -

Um dia bonito, sob o céu azul e o canto dos pássaros. O Santuário Sagrado Coração Misericordioso de Jesus, em Morro Bonito, interior de Içara, acolheu hoje (11) a Manhã de Espiritualidade Quaresmal do clero da Diocese de Criciúma. Na companhia do Bispo Diocesano, Dom Jacinto Inacio Flach, mais de 50 padres diocesanos e religiosos, e quatro diáconos estiveram reunidos no encontro, que teve por objetivo preparar o coração e o espírito para, assim como os demais batizados, também os padres se prepararem para viver a Páscoa do Senhor.

“Com muita alegria nós viemos aqui a Içara, nessa manhã de espiritualidade do presbitério da Diocese de Criciúma. Procuramos apresentar o tema ‘A oração do humilde atravessa as nuvens’. E a oração do humilde é aquele grito que brota do fundo do coração de cada um de nós: ‘Senhor, tem piedade de mim, que sou um pecador’. É isso que nós somos: pecadores, mas pecadores muito amados. Isso é o que eu gostaria que ficasse gravado como um selo no coração de cada padre desta querida Diocese; cada um, na sua fraqueza, na sua fragilidade, no seu pecado, e muito amado pelo Senhor”, frisou o assessor da manhã, o Reitor do Seminário Convívio Emaús, da Arquidiocese de Florianópolis, padre Vânio da Silva.

- PUBLICIDADE -

A oração das laudes, a pregação e a santa missa foram realizadas no interior da Capela da Agonia, ou Capela do Getsêmani, onde se encontra a imagem de Cristo que retrata o momento em que suou sangue, prestes à sua condenação. “Todos nós sabemos que o momento mais difícil da vida de Cristo foi aqui: ‘Se for possível, Pai, afasta de mim este cálice; contudo, que não seja feita a minha, mas a tua vontade’. Quantas vezes esta é a nossa agonia. Encontro muitas pessoas que vem rezar aqui e elas enfrentam uma dificuldade tremenda para assumir o cálice: filhos nas drogas, mães que perderam os filhos em acidentes, mulheres que vem com os filhos deprimidos que vêm aqui rezar porque é tão difícil, nesta hora, fazer a vontade de Deus. Aqui é o momento mais atormentado da vida de Jesus. A Via-Sacra começa quando Jesus já assumiu o cálice. Se a cruz nos ensina a vida, aqui Ele nos ensina a fazer a vontade do Pai”, disse Dom Jacinto aos presbíteros, durante a homilia da missa, que sucedeu a oração da Via-Sacra e o momento de confissões dos padres.

“Com certeza, vocês e eu sabemos muito bem o quanto tantas vezes a cruz nos assusta e como Ele suou sangue e suor. Sabemos que quando o corpo chega a abrir os poros, a sair o sangue, seria o último estágio da angústia de um ser humano. Nós não chegamos a isso, mas Ele chegou. Por isso, que Ele nos ensine a fazer a vontade dele e não a nossa”, acrescentou o Bispo, pedindo sempre fé e confiança diante das dificuldades da vida.

Dom Jacinto desejou uma abençoada Semana Santa e recordou aos padres a importância de que as comunidades participem da Coleta Nacional da Solidariedade, que tem beneficiado diversas ações em prol dos mais que necessitam em todo o país e também na Diocese. O epíscopo lembrou também a importância de realizar, na Sexta-Feira Santa, a Coleta para os Lugares Santos, destinada ao trabalho de Custódia da Terra Santa, cuidada pelos Franciscanos há 800 anos.

A manhã foi encerrada com a palavra do Coordenador da Pastoral Presbiteral e Reitor do Santuário SCMJ, padre Antônio Vander da Silva, que agradeceu a presença dos membros do clero e motivou a participação nas próximas atividades, como a Missa do Crisma, encontros geracionais, cursos e retiro. Após a missa, os padres se dirigiram ao Restaurante Nonno Tchillo, que lhes ofereceu um delicioso almoço.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.