Operação Veraneio encerra sem mortes em áreas guarnecidas

Pelo 5º ano consecutivo, nenhum óbito é registrado nas praias. Em áreas sem guarda-vidas três pessoas morreram

Foto: Arquivo/DN
- PUBLICIDADE -

MATHEUS REIS
policia@jornaldn.com.br
Balneário Rincão

As regiões Carbonífera e Extremo Sul, que fazem parte do 4º Batalhão de Bombeiros Militares de Santa Catarina (BBM/SC), não registraram nenhum óbito em áreas guarnecidas por salva-vidas pelo 5º ano consecutivo. A Operação Veraneio, que iniciou oficialmente no dia 18 de dezembro de 2018 e encerrou no domingo, 10, foi considerada atípica pelos inúmeros dias de sol que, por consequência, levaram mais banhistas para as praias. O comandante da 2ª Companhia de Içara, capitão Renan Silvério da Rosa Fernandes, que também esteve no comando da operação na temporada 2018/2019, a considerou positiva, mesmo que três óbitos em locais sem guardas tenham sido somados no período.

- PUBLICIDADE -

Prevenção

Conforme o capitão, o bom resultado é consequência das ações preventivas dos guarda-vidas. “Foram diversas as ações, tanto as que consideramos passivas, ou seja, sinalizações e bandeiras, como as ativas, que é quando os salva-vidas vão até a beira da praia, utilizam os apitos e são mais incisivos junto dos banhistas”,
ressalta Fernandes.

Projeto Golfinho formou 1500 crianças

Outro fator positivo nesta temporada foi a formação de 1500 crianças no Projeto Golfinho. Destas, 500 foram instruídas somente em Balneário Rincão.

O Golfinho é um programa de atividades educativas em segurança de praias oferecido durante a Operação Veraneio trabalhando os aspectos da prevenção e conscientização sobre os perigos do mar, cidadania e meio ambiente com crianças e adolescentes com idade entre sete e 14 anos.

Mortes ocorreram em áreas desguarnecidas

De acordo com o capitão Fernandes, as mortes em áreas desguarnecidas ocorreram, infelizmente, por descuido, já que foram em locais onde não é indicado a entrada. A primeira ocorreu no último dia do ano, quando um jovem de 20 anos se afogou em uma lagoa na Zona Sul de Balneário Rincão.

Os outros dois casos ocorreram em Meleiro. No dia 13 de janeiro, Daniela Angélica Laurindo, de 25 anos, morreu depois que tentou salvar o filho que caiu em um rio da cidade. A mulher, que era moradora de Forquilhinha, pulou na água, mas não conseguiu voltar.

Já no dia 23 de fevereiro, um idoso de 75 anos morreu em um rio, na localidade de Jacaré. O homem costumava pescar diariamente nele.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.