Criciúma: Isabelli precisa de ajuda para lutar contra sequelas de um AVC

Família do Rio Maina busca auxílio financeiro para custear o tratamento de reabilitação e também os gastos com transporte

- PUBLICIDADE -

Com apenas 10 anos, a pequena Isabelli de Souza Crepaldi, luta contra sequelas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico que ocorreu em novembro de 2018 e ocasionou um coma de aproximadamente dois meses. Atualmente, a menina está acamada, abre os olhos e mexe pernas e braços com movimentos involuntários. A família moradora do Distrito Rio Maina, em Criciúma, busca ajuda financeira para investir em tratamentos de reabilitação que envolvem o trabalho conjunto de profissionais da área da saúde.  “Os médicos de Joinville nos aconselharam investir nesse primeiro ano em fisioterapia, fonoaudióloga e terapeuta ocupacional. Esse período é o que ela deve apresentar respostas de melhora”, explica a mãe, Juliana de Souza Crepaldi.

Para dedicar-se aos cuidados de Isabelli e do irmão Miguel de cinco meses, Juliana precisou deixar o emprego. “Estou na casa da minha mãe porque quando aconteceu isso, Miguel tinha apenas 26 dias. Era o maior sonho da Isabelli um irmãozinho e ela estava muito feliz, mas infelizmente aconteceu esse AVC. Temos fé em Deus porque ela já passou por muitas coisas, ouvimos muitas opiniões ruins dos médicos, mas com certeza existe um propósito maior para vida dela”, relata.

- PUBLICIDADE -

Hoje, Isabelli faz fisioterapia na Unesc no Centro Especializado em Reabilitação (CER) – programa que oferece atendimento gratuito para pessoas com deficiência física e intelectual – três vezes na semana durante 40 minutos. Nesse período, ela é atendida por três profissionais, mas conforme Juliana é pouco tempo para atingir o objetivo do tratamento. “Pesquisamos e encontramos uma clínica de fisioterapia na Içara que é especializada em neurologia. Fizemos um orçamento para cinco dias na semana, que era o indicado, mas sairia R$ 4.800 e por enquanto não temos condições. Então optamos em três vezes no valor de R$ 2.380 e precisamos pagar a ambulância que leva até a clínica”, relata.

O custo da ambulância é de R$ 120 cada viagem e o serviço três vezes fica no valor de R$ 360. A mãe de Isabelli ressalta que a prefeitura não disponibilizará o veículo porque a clínica na Içara é particular. “Nós estamos tentando ajuda com alguns vereadores, mas está difícil. É um valor que poderíamos investir em outras necessidades ao invés de pagar ambulância”, acrescenta.

A família recebe materiais como gaze, luvas, sondas, soro, entre outros da Policlínica do Rio Maina através de doações da Prefeitura de Criciúma que também disponibiliza ambulância para levar Isabelli ao tratamento na Unesc. As medicações e alimentação são doadas pela Universidade. “Na escola dela estão fazendo uma campanha de arrecadação de fralda e lenço umedecido, elas falaram que durante um bom tempo não vou precisar me preocupar porque está vindo muitas doações. Temos a vakinha online estamos tendo um bom retorno. Quem puder colaborar com um valor em dinheiro, qualquer valor ajuda”, enfatiza Juliana.

COMO AJUDAR:

Banco: Caixa Econômica

Operação: 013

Agência: 2979

Conta: 27131-5

Vakinha Online: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/reabilitacao-da-isabelli-vitima-de-avc-hemorragico

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.