Criciúma: Condenados por violência contra mulher não poderão assumir cargos de confiança

Conforme o projeto de autoria da vereadora Camila Nascimento, fica vedada à nomeação para os cargos em comissão e de confiança na administração pública, direta, indireta, fundos, fundações, autarquias, empresas públicas e no Poder Legislativo do município de Criciúma, de pessoas que tenham contra si condenação pela prática de violência contra a mulher

- PUBLICIDADE -

Os vereadores aprovaram na Sessão desta segunda-feira, o Projeto de Lei nº 10/2019, de autoria da vereadora Camila Nascimento (PSD) que veda nomeação de condenados por violência contra mulher a cargos de confiança no Município.

Conforme o projeto fica vedada à nomeação para os cargos em comissão e de confiança na administração pública, direta, indireta, fundos, fundações, autarquias, empresas públicas e no Poder Legislativo do município de Criciúma, de pessoas que tenham contra si condenação pela prática de violência contra a mulher.

- PUBLICIDADE -

Segundo a vereadora, atualmente, estão tramitando mais de 41 mil processos de violência contra a mulher, o que faz liderar o ranking nacional nesse aspecto. O projeto cria impedimento à nomeação de cargos em comissão e de confiança de pessoas que tenham contra si condenação pela prática de violência contra a mulher, independente da instância criminal, até o cumprimento integral da reprimenda imposta.

“No Brasil, 16 milhões de mulheres já sofreram algum tipo de violência. Esse projeto vem para ajudar a contribuir para que os direitos das mulheres sejam protegidos, e diminuir esses casos de violência contra a mulher. Acredito que esse projeto vai fazer a diferença na vida de muitas mulheres”, disse a vereadora. A matéria vai para sanção do prefeito Clésio Salvaro.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.