TJ anuncia repasse de R$ 1,9 milhão para SSP

A aprovação do projeto apresentado pela Polícia Civil ocorreu nesta semana, durante reunião do Conselho Gestor de Penas Pecuniárias

- PUBLICIDADE -

Florianópolis

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rodrigo Collaço, anuncia nesta quinta-feira, 5, a liberação de recursos financeiros à Polícia Civil do Estado para a implantação do projeto de auto de prisão em flagrante virtual. Será repassado R$ 1,9 milhão, verba oriunda das transações penais e penas pecuniárias registradas em delitos de menor potencial ofensivo. A aprovação do projeto apresentado pela Polícia Civil ocorreu nesta semana, durante reunião do Conselho Gestor de Penas Pecuniárias.

- PUBLICIDADE -

O presidente tomou conhecimento de experiência piloto desta natureza em viagem a Chapecó, em abril deste ano, quando visitou a Central de Plantão Policial (CPP) do extremo oeste. Na oportunidade, foi informado da existência de um sistema que permite a confecção de autos de prisão em flagrante (APF) através de depoimentos audiovisuais. Os APFs, peças que antes levavam mais de duas horas para conclusão, passaram a ser feitos em 15 minutos. O sistema já é usado em cerca de 50 delegacias daquela região, mas a Secretaria de Segurança Pública (SSP) quer expandi-lo para todo o Estado e, sem recursos para tanto, solicitou o auxílio do Judiciário.

“Este é um projeto que tem nosso apoio, pois traz confiabilidade para a prova e potencializa a persecução penal. A polícia aparelhada nos ajuda, temos que pensar que o Estado é único”, afirmou naquela ocasião o presidente do TJ. O secretário adjunto da SSP, Aldo Pinheiro d’Ávila, representará o Estado na solenidade, prevista para acontecer às 16h30min na Sala Thereza Tang, 7º andar da Torre I do Tribunal de Justiça.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.