Esperança para quem espera por um transplante

Doação de órgãos dá uma nova chance para os pacientes que aguardam na fila de espera. SC é referência em número de captações, com 282 procedimentos em 2017

Foto: Lucas Colombo/DN
- PUBLICIDADE -

Suelen Bongiolo
Siderópolis

Autorizar a doação de órgãos de um familiar nem sempre é uma decisão fácil, devido à fragilidade do momento. Entretanto, esse gesto de altruísmo consegue mudar a vida de muitas pessoas. Cada vez mais, o assunto vem sendo difundido no país, buscando reduzir a fila de espera para transplantes e renovar as esperanças desses milhares de pacientes que aguardam por uma nova chance de viver.

- PUBLICIDADE -

A aposentada Rosa Costa Bettiol, de 60 anos, é uma das pessoas que esperam por um transplante. Em 2000, a moradora de Siderópolis realizou uma cirurgia na vesícula e, dentro do hospital, contraiu hepatite C. A doença afetou o fígado, que precisa ser substituído. Ao longo dessas quase duas décadas, ela vem lutando contra a enfermidade e, apesar de já ter sido chamada três vezes, não conseguiu realizar o procedimento. “Uma vez eu estava bem e deixei para outra pessoa. Na outra vez eu já estava na mesa do centro cirúrgico, mas fui obrigada a sair porque meu coração estava fraco”, relembra.

Apesar de continuar na fila de espera, ela acredita que não será mais possível fazer o transplante. Mesmo assim, ela incentiva as pessoas a serem doadoras de órgãos e ajudar a salvar vidas. “Eu sou a favor e meus filhos também vão ser doadores. É a melhor coisa que tem”, aponta.

Estado se destaca em número de captações

Atualmente, Santa Catarina é referência nacional em doação de órgãos, com recorde de captações. Apenas em 2017, foram 282 doadores de múltiplos órgãos, um número quase três vezes maior do que a média brasileira, em comparação a quantidade de habitantes. Neste ano, apenas até o dia 31 de março, já foram 59 procedimentos realizados.

No quesito captação de órgãos, o Sul Catarinense está em quarto lugar no ranking estadual, ficando atrás do Vale do Itajaí, Grande Florianópolis e Nordeste/Norte. Até março de 2018, já foram realizadas sete doações. No ano passado, foram 32 procedimentos na região.

Confira a reportagem completa na edição desta segunda-feira, 16, do jornal Diário de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Suelen Bongiolo
Em: Siderópolis

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.