- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Em um enredo típico das tradicionais novelas mexicanas, o Tricolor Carvoeiro encerrou negociações com Mazola Júnior. Após as declarações do presidente Jaime Dal Farra, ainda na noite de sexta-feira, afirmando que o treinador pediu 70% de aumento, Mazola se pronunciou no sábado pela manhã e desmentiu o mandatário carvoeiro. De acordo com o técnico, o pedido real foi de 30% de aumento para igualar o que ele ganhava no CRB, último clube antes de ele chegar ao Tigre.

Mazola ainda afirmou que chegou ao Tricolor Carvoeiro ganhando bem menos que seu antecessor, Argel Fucks. Os números não foram revelados, mas, nos bastidores fala-se em um aumento de 50 mil para 70 mil reais. Assim, no final da tarde de sábado, o Criciúma emitiu uma nota oficial, através do site do clube, encerrando as negociações com o treinador.

O pronunciamento via WhatsApp

No início da noite de sábado, Mazola emitiu um comunicado e o distribuiu através de um áudio pelo WhatsApp. Ele destaca que Dal Farra mentiu ao falar sobre os 70% de aumento e reafirmou que pediu 30% de reajuste.

Confira o comunicado completo de Mazola:

“Venho através desta comunicar que infelizmente hoje encerro o meu vínculo com o Criciúma Esporte Clube. Infelizmente,  as negociações não andaram. É  uma inverdade essa colocação do presidente de que eu pedi 70% de aumento. Em nenhum momento eu fiz isso. Eu apenas pedi que o Criciúma me pagasse o que eu ganhava no CRB, que foi o meu último contrato. Se o Criciúma não tem condições de repor essa situação, que era exatamente 30% menos do que eu ganhava no Criciúma, aí eu também não posso aceitar esse tipo de contrato. Eu acho que, se o Criciúma não tem condições de pagar o que eu ganhava no CRB, tudo bem. Inclusive, que  é muito menos do que o Argel ganhava aí quando eu assumi o Criciúma, em cinco rodadas, zero pontos. Agora, esse tipo de argumento que estão usando, querendo me jogar contra a torcida e contra a imprensa, que eu pedi 70% de aumento, isso é uma inverdade. Eu não sou de acordo com inverdades. Eu sou a verdade mais pura e certa do que tem que ser. As coisas tem que ser colocadas com verdade e honestidade. Infelizmente aconteceu essa situação desagradável, torço para que o Criciúma siga a estrada dele, que faça campeonatos melhores do que tem feito nos últimos anos e que essa torcida e essa imprensa maravilhosa possa ser feliz com o futuro do Criciúma. Muito obrigado a todos, desculpem alguma coisa, eu só tenho a agradecer a grande nação carvoeira, muito obrigado ao apoio que nos deu, e a vocês da imprensa de Criciúma que sempre foram muito profissionais e honestos comigo. Grande abraço a todos”.

Entretanto, na manhã de domingo, a situação ficou ainda mais turbulenta entre Mazola e Dal Farra. Circulam, no mesmo aplicativo de mensagens, dois áudios de Mazola, direcionados ao presidente Jaime Dal Farra. Mazola diz que o presidente foi “uma das grandes decepções da carreira dele como treinador” e reforçou que pediu 30% de aumento.

Mazola ainda fala em uma dívida do clube com ele e comenta que o clube só está na Série B por causa dele e não por conta do presidente. Entre expressões fortes e até algumas palavras de baixo calão, o treinador diz que foi honesto e sincero e que o presidente foi covarde ao falar do suposto pedido de 70% de aumento.

Ao ser questionado sobre a veracidade do áudio, Mazola afirmou falou tudo o que deveria falar. “O que eu tinha que falar, já falei. Vida que segue. Abs”, respondeu à reportagem do Diário de Notícias.

A opção pelo antigo treinador

 Com Mazola no passado do clube, Roberto Cavalo vira o “ficha  1” para ser o treinador do Tigre em 2019. O Tricolor Carvoeiro já trabalhava com alguns nomes nos bastidores, em paralelo à negociação com o antigo técnico. Cavalo é muito amigo de Dal Farra. O treinador está em Criciúma, de férias, e encerrou o vínculo com o Oeste, após ter livrado o clube paulista do rebaixamento. No momento, ele está sem clube.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.