- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

A turbulenta relação entre o presidente do Criciúma, Jaime Dal Farra, e o ex-técnico do clube, Mazola Júnior, parece estar longe de acalmar. Na tarde desta segunda-feira, o mandatário carvoeiro emitiu um comunicado, através de áudio publicado no SoundCloud oficial do clube, onde reafirmou que o técnico Mazola Júnior pediu 70% de aumento. Dal Farra expos números e justificou a pedida de Mazola. “Quero declarar que, em relação aos percentuais colocados no Conselho, os 70% representam o seguinte: no ano de 2018, o Mazola tinha a remuneração de 45 mil e a solicitação dele era de 70, fazendo um total de 56% e mais os encargos sociais que chegaria em torno de 70% de aumento”, disse Dal Farra, no comunicado.

Em áudios que vazaram, através do aplicativo de mensagens WhatsApp, na manhã deste domingo, Mazola fala em débitos do Criciúma com ele. Dal Farra também argumenta que todos os compromissos estão em dia e o que está pendente será pago dentro do previsto. “Também quero dizer que o Criciúma, em relação aos débitos que ele falou que tem com o clube, eles estão em dia e desde que esse modelo foi implantado, desde 2010, o Criciúma não deve nada para ninguém e que os débitos que a gente tem com ele, já que ele se encontra vinculado ao clube, em férias, serão todas pagas, as remunerações, de forma integral“, enfatizou.

Mazola também citou um “esquema de energia” onde Dal Farra ganharia dinheiro com o empresário João Feijó, ligado ao futebol alagoano e também à energia renovável. O ex-treinador do clube afirmou que “Dal Farra só chegou até Feijó por causa dele e que Dal Farra é ‘gulosinho’ para ganhar dinheiro”. O mandatário carvoeiro também rebateu as declarações. “O esquema de energia citado por ele, que teria vinculação com o senhor Feijó, se trata de energia limpa, que seria oferecida à Casan, puramente de natureza privada e particular, não tendo qualquer relação com o futebol”, pontuou.

O antigo treinador do Criciúma usou frases fortes e até palavrões ao responder a Dal Farra. Essa parte dos áudios foi ignorada pelo presidente. “Em relação às ofensas pessoais, quero dizer que não serão respondidas por mim e quero agradecer e desejar toda sorte do mundo ao Mazola no clube onde ele vier a trabalhar”, finalizou.

O diretor jurídico do Criciúma e da G.A, Albert Zilli dos Santos, afirmou que Dal Farra ainda não pensou em processar Mazola e, caso venha a tomar esta decisão, será no futuro e como pessoa física, não como mandatário do Criciúma.

Confira abaixo a nota completa de Jaime Dal Farra

“Em relação às declarações concedidas pelo técnico Mazola, quero esclarecer algumas coisas à toda nossa torcida e imprensa:

Quero declarar que, em relação aos percentuais colocados no Conselho, os 70% representam o seguinte: no ano de 2018, o Mazola tinha a remuneração de 45 mil e a solicitação dele era de 70, fazendo um total de 56% e mais os encargos sociais que chegaria em torno de 70% de aumento.

Também quero dizer que o Criciúma, em relação aos débitos que ele falou que tem com o clube, eles estão em dia e desde que esse modelo foi implantado, desde 2010, o Criciúma não deve nada para ninguém e que os débitos que a gente tem com ele, já que ele se encontra vinculado ao clube, em férias, serão todas pagas, as remunerações, de forma integral.

O esquema de energia citado por ele, que teria vinculação com o senhor Feijó, se trata de energia limpa, que seria oferecida à Casan, puramente de natureza privada e particular, não tendo qualquer relação com o futebol.

Em relação às ofensas pessoais, quero dizer que não serão respondidas por mim e quero agradecer e desejar toda sorte do mundo ao Mazola no clube onde ele vier a trabalhar. Um abraço a todos.”

Ouça o áudio aqui

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.