Tigre cede empate e segue na zona de rebaixamento da Série B

Equipe faz bom primeiro tempo, mas perde força na etapa final e fica no 1 a 1 no clássico com o Figueirense. Já são 13 rodadas do Criciúma no Z4 da competição nacional

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Fotos: Lucas Colombo/DN

Depois de um grande primeiro tempo, o Tricolor Carvoeiro perdeu força na etapa final e deixou escapar mais uma vitória no estádio Heriberto Hülse. João Paulo abriu o marcador com um golaço, mas o time treinado por Mazola Júnior perdeu força na etapa final e permitiu o crescimento do rival, que chegou à igualdade com Nogueira, em uma falha de Sueliton, aos 30 minutos do primeiro tempo. No final, um decepcionante 1 a 1. Assim, o Tigre soma 13 rodadas entre os quatro últimos da Série B. “Infelizmente não conseguimos vencer de novo. Jogamos melhor que os adversários, mas as vitórias não estão vindo. Vamos trabalhar para sair dessa situação”, pontuou o atacante João Paulo, ao final de jogo.

No primeiro tempo, logo aos 3 minutos, Élvis foi na linha de fundo e cruzou, a zaga afastou, Sueliton finalizou e na sobra Marlon Freitas bateu mal e alto, pela linha de fundo. Os jogadores do Tigre mostravam força na marcação e disputavam todas as bolas com muita energia. Aos 12 minutos, João Paulo bateu forte de fora da área e Dênis espalmou. O Criciúma era melhor na partida. Aos 17 minutos, Eduardo roubou bem a bola na saída do Figueirense, Vítor Feijão avançou e bateu forte para outra defesa de Dênis. Na sequência, João Paulo recuperou a bola no meio campo, viu Dênis adiantado e quase fez um golaço do meio de campo.

O Tricolor Carvoeiro apertava o adversário e chegava mais perto de abrir o marcador. Marcando forte no meio campo, o time de Mazola Júnior não deixava o Figueira criar jogadas de perigo. Aos 26 minutos, em um contra-ataque, Gustavo Ferrareis finalizou forte, pela direita, e obrigou Luiz a fazer a primeira defesa dele no jogo.

Aos 29 minutos, a pressão carvoeira deu resultado: Élvis roubou a bola no meio e lançou João Paulo, que passou por dois, deu um drible desconcertante em Zé Antônio, invadiu a área e deslocou Dênis para abrir o placar, com um golaço: 1 a 0 para o Tigre. Destaque na partida, João Paulo foi derrubado aos 35 minutos. Na cobrança de Élvis, a zaga colocou para escanteio. Aos 38 minutos, o Figueira chegou, mas sem perigo: João Paulo cobrou falta e André Luís deslocou a bola pela linha de fundo. Aos 43 minutos, João Paulo recuperou a bola na direita e tocou para Luiz Fernando, ele arriscou da intermediária e a bola saiu, com perigo. Nos acréscimos, João Paulo cobrou falta, André Luis completou para o gol, mas o juiz anulou, marcando impedimento. Nos acréscimos, Renan Mota foi lançado, Luiz saiu da área por baixo, dividiu com o jogador do Figueira e a bola ressaltou. Os atletas do time da capital pediram pênalti. O juiz nada marcou. Com intensidade de jogo, o Criciúma foi muito superior na etapa inicial. “O zagueiro me fechou e deu o canto direito, cortei ele, o Dênis ficou dentro do gol, demorei um pouquinho, mas deu tudo certo”, explicou o lance, o autor do gol do Criciúma.

No segundo tempo, o time da capital voltou buscando o empate: aos três minutos, João Paulo cruzou da esquerda e João Paulo cabeceou com perigo, mas a bola saiu passando perto da trave de Luiz. O Criciúma voltou em um ritmo menor, enquanto o Figueirense tentava pressionar em busca do gol do empate. Aos sete minutos, Renan Mota fez boa jogada pela esquerda e cruzou, mas Gustavo Ferrareis não dominou, na marca do pênalti. Nino afastou. Aos 9 minutos, a rapidez de Luiz Fernando, João Paulo e Vítor Feijão quase ocasionou uma chance de gol, mas a zaga do Figueirense afastou.

 

Aos 15 minutos, Luiz Fernando fez boa jogada pela intermediária esquerda e foi derrubado. Falta. Élvis cobrou e a bola saiu, perto da trave. Nos cinco minutos seguintes, o Figueira exerceu uma pressão. Aos 19 minutos, Nogueira pegou uma sobra de escanteio, dentro da área, cortou Marlon e bateu forte, Luiz não alcançou e Eduardo afastou de cabeça, em cima da linha. No melhor momento do time da capital na partida, João Paulo cruzou e André Luís cabeceou pela linha de fundo, com perigo.

Aos 30 minutos, Felipe Amorim cobrou falta pela direita e Nogueira, na segunda trave, completou para o gol e empatou a partida em uma falha de Sueliton. 1 a 1. O Figueirense era melhor no jogo e transformou a superioridade no gol de igualdade. Após sofrer o empate, o Tigre reacendeu na partida e buscou o gol da vitória. Aos 38 minutos, Vítor Feijão fez o pivô e tocou para Alex Maranhão, que finalizou pela linha de fundo. Na jogada seguinte, Maranhão tocou para Marlon, na esquerda. O lateral avançou e chutou rasteiro, a bola passou perto da trave de Dênis. No final, dois pontos perdidos pelo Criciúma e o time segue a sina na zona de rebaixamento. “Empate com gosto de derrota. Infelizmente tomamos o gol em uma bola parada. Depois ficou difícil de buscar. Agora temos que recuperar esses pontos fora de casa”, finalizou o zagueiro Nino.

Campeonato Brasileiro – Série B – 14ª Rodada

05/07 (quinta-feira) – 21 horas – estádio Heriberto Hülse

CRICIÚMA

Luiz; Sueliton, Nino, Fábio Ferreira e Marlon; Eduardo, Marlon Freitas (Jean Mangabeira), Luiz Fernando (Andrew) e Élvis (Alex Maranhão); Vitor Feijão e João Paulo. Técnico: Mazola Júnior

FIGUEIRENSE

Dênis; Diego Renan (Felipe Amorim), Nogueira, Cleberson e Guilherme Lazaroni; Zé Antônio, Pereira (Matheus Sales), Renan Mota, João Paulo e Gustavo Ferrareis; André Luis (Juninho). Técnico: Milton Cruz

Arbitragem: Vinícius Furlan; Auxiliares: Herman Brumel Vani e Luiz Alberto Andrini Nogueira (Trio de SP)

GOLS: João Paulo (29/1T) (C); Nogueira (30/2T) (F)

Cartão Amarelo: João Paulo, Marlon, Luiz Fernando e Sueliton (C); Nogueira, Renan Mota e Matheus Sales (F)

Cartão Vermelho: Não Houve

Público: 2.528

Renda: R$ 50.930,00

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.