Unesc e Estado mais próximos de fechar parceria

Universidade planeja nos próximos 20 dias uma forma de aumentar sua inserção no HMISC. Tornar a instituição um Hospital-Escola é o próximo passo a ser dado

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Matheus Reis

Criciúma

- PUBLICIDADE -

A Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) estuda pelos próximos 20 dias uma forma de aumentar a sua inserção de pesquisa e ensino dentro do Hospital Materno-Infantil Santa Catarina (HMISC), em Criciúma. Atualmente a instituição já possui estagiários de medicina e enfermagem no hospital, no entanto, a intenção é ampliar as vagas para outros cursos de saúde, além dos de gestão e educação. Este seria o primeiro passo para que o HMISC se torne um hospital-escola.

De acordo com a pró-reitora acadêmica da Unesc Indianara Reynaud Toreti, um grupo de trabalho já foi formado para a criação deste plano. “Ainda não podemos denominar o HMISC como hospital-escola porque para isso ele precisaria ter alguma residência, contudo, queremos nos integrar cada vez mais para que isto ocorra”, destaca Indianara.

Hoje a Unesc tem um convênio com o Município e com o Instituto de Desenvolvimento, Ensino e Assistência à Saúde (Ideas) que gere a instituição hospitalar. Com a estadualização do HMISC este convênio deve ser fechado, então, com o Governo do Estado. “Não teremos nenhum custo para que nossos estudantes estejam trabalhando no HMISC e temos uma expectativa bem bacana com essa possível parceria. Internamente queremos finalizar nossa proposta inicial até o final deste mês para apresentarmos ao secretário de Estado da Saúde Acélio Casagrande dar os encaminhamentos. Até agosto, quando inicia o próximo semestre, já queremos ter mais estagiários lá”, reitera a pró-reitora.

Estadualização do HMISC

No dia 22 de junho a Comissão Intergestores Bipartite de Santa Catarina (Cib/SC) aprovou a estadualização do Hospital Materno-Infantil. Depois da oficialização, iniciaram algumas discussões para a gestão da instituição. De acordo com o gerente de Saúde regional de Criciúma Fernando de Fáveri, a principal delas é a aproximação da Unesc. “Todos têm a ganhar! Seja a Universidade, que pode oferecer mais estágios aos acadêmicos, o HMISC com profissionais de qualidade e a gestão que se torna mais barata”, avalia de Fáveri.

Inauguração em setembro

O maior gargalo para a finalização, segundo de Fáveri, é a central de esterilização. Conforme o gerente, a verba já foi liberada para o Município, que será responsável pelo processo de licitação para a obra. “Talvez ele não fique pronto dentro do prazo que esperamos inaugurar. Para que isto não seja um entrave estamos estudando a possibilidade de esterilizar os materiais no Hospital Regional de Araranguá, que também é gerido pelo Ideas”, pontua.

Com a abertura, a intenção da secretaria de Estado é tornar o HMISC referenciado, de fato, como materno-infantil. “Hoje só existe atendimento pediátrico lá, que estamos estudando junto do prefeito Clésio Salvaro para levar para a Unidade de Pronto Atendimento, a UPA. Dessa forma, o HMISC não faz mais consultas e foca na questão hospitalar mesmo, inclusive com cirurgias e a maternidade, claro”, explica de Fáveri.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.