Criciúma: trabalhadores dos Correios adiam greve

Tribunal propôs ao Sindicato manutenção do antigo acordo e reajuste de 3,5% pela inflação acumulada nos últimos 12 meses

- PUBLICIDADE -

Os trabalhadores dos Correios acordaram em adiar a decisão de greve. O acerto ficou definido após o Tribunal Superior do Trabalhado (TST) propor a manutenção do acordo coletivo antigo e reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) que acumulou 3,5% nos últimos 12 meses. O gerente regional dos Correios Marco Aurélio Tiscoski, explica que uma nova assembleia foi remarcada para o dia 14 de agosto.

A orientação foi repassada pela Federação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentec) e pela Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect).

- PUBLICIDADE -

Os correios haviam proposto aos trabalhadores um reajuste de 2,21% nos salários e alteração em oito clausulas do acordo do ano passado, como a exclusão do vale cultura e desconto no vale alimentação nos dias não trabalhados. Já os trabalhadores pedem a manutenção do acordo, reajuste salarial entre 5% a 8% mais aumento linear de R$ 300 e o fim da cobrança de mensalidade dos planos de saúde.

Serviços mantidos mesmo com greve

 De acordo com o gerente regional, mesmo com greve, os serviços de distribuição e nas agências serão mantidos. “O atendimento continuará, talvez com o número de colaboradores reduzidos, mas não terá prejuízos para a população”, explica Tiscoski.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.