Criciúma: TRE cassa mandato de Ângela Mello

Com a decisão, deverá assumir o cargo o suplente do PP, Edson Paiol

- PUBLICIDADE -

Atualizada às 20h28min

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassou o mandato da vereadora de Criciúma, Ângela Mello, que atualmente está no Movimento Democrático Brasileiro (MDB). O julgamento ocorreu na tarde dessa segunda-feira, 19, e contou com a participação do advogado do Partido Progressista (PP), Alessandro Abreu, e do advogado de defesa da vereadora, Alexandre João. O relator da matéria foi o juiz Wilson Pereira Júnior.

- PUBLICIDADE -

Apesar do MDB solicitar, no caso de cassação, a vaga para o primeiro suplente, Vanderlei Zilli, o pedido não foi aceito. Deve assumir o cargo, o suplente do PP, Edson do Nascimento, o Paiol. A reportagem tentou contato, mas o progressista estava com o telefone desligado.

Conforme a decisão do TRE, o mandato do ex-vereador de Criciúma Daniel Freitas, que renunciou em março, é do partido e não da coligação. Após Daniel renunciar o cargo, a Câmara de Vereadores convocou Ângela, que era do PP e mudou para o MDB, e também a primeira suplente da coligação. “Toda decisão pessoal tem uma consequência. A atual vereadora optou sair do PP, e atendeu um convite da deputada Ada De Luca para ingressar em um cargo comissionado que, a partir do momento que se filiou passou a exercer, até então uma situação simples. Concorreu ao cargo de vereadora e diferente do que se disse, teve auxílio do partido, muito maior do que o segundo suplente e isso está na prestação de contas. Recebeu inclusive do próprio diretório nacional uma ajuda de custo”, afirmou o advogado do PP, Alexandre.

Confira mais informações na edição do jornal Diário de Notícias de terça-feira, 20.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.