Ano de recuperação da economia e boas apostas para 2019

Conforme Fiesc, os setores que mais se destacaram foram o metal mecânico e plástico. Para o próximo ano, empresários estão confiantes com a mudança de governo

- PUBLICIDADE -

O ano de 2018 foi cheio de altos e baixos para os empresários. Os brasileiros viram a recuperação, ainda lenta, da economia do país, mas foram surpreendidos por uma série de acontecimentos que colocaram à prova a confiança. Um exemplo foi a Greve dos Caminhoneiros que durou dez dias e afetou o desempenho da produção nas indústrias. Segundo o Ministério da Fazenda, a manifestação custou R$ 15 bilhões, o equivalente a 2% do PIB, mas por outro lado, o governo passou a subsidiar o preço do Diesel. Já a gasolina continuou pesada no bolso do consumidor e após uma mudança na política de preços da Petrobrás, os ajustes foram realizados a cada 15 dias.

Para a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), o índice de confiança do empresário alcançou 67 pontos em dezembro. O valor significa quatro pontos a mais do que os registrados no mês anterior, e são os maiores resultados da série histórica mensal. “Nossa expectativa agora está na troca de comando do Brasil. Queremos o país na grande prosperidade e acreditamos que isso iniciará pela mudança no governo. O presidente que assumirá já expôs algumas das suas opiniões e propôs ações que serão benéficas. O empresário está confiante”, afirma o vice-presidente regional Sul da Fiesc, Diomício Vidal.

- PUBLICIDADE -

Confira na edição especial do Diário de Notícias desse feriado de ano novo. 

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.