Criciúma: ala materna é inaugurada depois de 21 anos no HMISC

A unidade foi inaugurada por muitas mãos, em um trabalho que envolveu o Município de Criciúma e o Governo do Estado

Foto: Matheus Reis/DN
- PUBLICIDADE -

Matheus Reis

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Uma novela que durava 21 anos encerrou na manhã deste sábado, 1, em Criciúma. Depois de entraves e falta de recursos, agora, oficialmente o Hospital Materno-Infantil Santa Catarina (HMISC) poderá atender, não só as crianças como tem sido, mas também as mães. A ala materna foi inaugurada por muitas mãos em um trabalho que envolveu o Município de Criciúma e o Governo do Estado. A Secretaria de Estado da Saúde investiu R$ 3,6 milhões para a finalização da obra. A partir de hoje, por mês, R$ 3,2 milhões serão enviados pelo Governo para o custeio do HMISC.

O secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, era secretário municipal da Saúde em 1997 quando a instituição foi comprada pela prefeitura. Nestas duas décadas, Casagrande acompanhou de perto toda a batalha para que a ampliação fosse concretizada. Neste ano, com o apoio do governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), que foi prefeito de Criciúma e também esteve perto da luta, o objetivo foi alcançado. “Acho que a obra, os equipamentos e os profissionais falam por toda minha emoção. Emoção que me toma conta hoje porque, depois de 21 anos, o real objetivo se completa.  A missão do hospital sempre foi ser materno-infantil e tenho certeza que vamos salvar muitas vidas aqui”, ressalta o secretário.

Clésio Salvaro (PSDB) agradeceu tudo que foi empenhado para que a obra se concretizasse. Segundo o prefeito, todos que estiveram à frente do Paço Municipal nos últimos anos lutaram para que isto se concretizasse, contudo, foi pelo esforço que Casagrande teve que a obra finalizou. Salvaro acredita que Criciúma mais uma vez se torna referência. “Esses 20 anos, o Município cuidou da assistência básica e também tocou o hospital, atendendo a região e o Estado de Santa Catarina. Agora o Estado assume e continuaremos atendendo com qualidade como foi feito até hoje”, acrescenta.

Moreira reitera que esta foi uma conquista coletiva. “O HMISC se concretiza porque houve união do Estado, do Município e todo mundo que defende a saúde pública de qualidade. É um passo importante no objetivo de dar segurança na saúde às pessoas do Sul”, aponta.

Ele, que é médico, trabalhou na instituição há mais de 40 anos e comemora o fato de poder, como governador, finalizar uma obra tão importante. “Esse legado é de um alcance imensoEu fazia avaliação cardiológica das crianças aqui e fico muito feliz, como governador, em ter dado sequência e colocando em funcionamento nos próximos dias”, enfatiza.

Nova estrutura com a reforma e ampliação:

24 leitos de maternidade (alojamento conjunto)

1 leito de isolamento da maternidade

24 leitos na Clínica da Mulher

1 leito de isolamento na Clínica da Mulher

4 leitos de observação pós-anestésica

10 leitos de cuidados intermediários

29 leitos de pediatria

3 leitos de UTI Pediátrico

13 leitos de UTI Neonatal (6 funcionam de imediato)

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.