Sul aguarda 620 novas vagas no Sistema Penitenciário

Foto: Divulgação/DN
- PUBLICIDADE -

Obras executadas pela Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (SJC) no Sul catarinense trazem a promessa de novas vagas ao sistema penitenciário da região. A construção do Centro de Atendimento Socieducativo (Case), para abrigar adolescentes em conflito com a lei, além da Penitenciária Feminina e da ampliação do Presídio Regional de Araranguá tendem a reduzir a lotação nas unidades já existentes.

A Penitenciária Feminina é uma das mais recentes obras realizadas no Sul. Em construção em Criciúma, desde o final do último ano, a estrutura abrirá 260 vagas para mulheres. Com investimento estimado em R$ 21 milhões, com recursos do Pacto Por Santa Catarina, a obra está 35% executada e a fase é de terraplanagem do terreno. A estrutura deverá ser modelo no Estado. O local contará com alas de carceragem, berçário, creche, oficinas de trabalho, parlatórios, salas de encontro íntimo, áreas de saúde, salas de aula, lavanderia e cozinha.

- PUBLICIDADE -

Espaço para menores infratores

Com as obras do Case, os adolescentes infratores terão um local para cumprir as medidas socioeducativas na região. Até então, há apenas o Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep), localizado no bairro Vila Zuleima, onde os menores podem permanecer internados por até 45 dias. A nova estrutura, erguida no bairro São Domingos, possui 25% dos trabalhos executados. As obras iniciaram em julho do ano passado e abrirão 60 novas vagas para a internação dos menores infratores. Do total, 40 serão para internação definitiva e 20 para provisórios.

  • Matéria completa você lê na edição desta segunda-feira do Diário de Notícias
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Angelica Brunatto
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.