Sombrio: nova chance a menores infratores

Projeto realizado pelo Judiciário da cidade prevê inserção de adolescentes em oficinas de aprendizado. Onze ganham oportunidade de emprego

Foto: Lucas Colombo/DN
- PUBLICIDADE -

A influência de más companhias fez com que Edgar* cometesse um erro pelo qual teve que pagar. Junto a colegas, ele cometeu um furto e foi apreendido pela Polícia Militar. Ele foi encaminhado à 2ª Vara do Fórum da Comarca de Sombrio e ingressou em um projeto voltado a menores infratores.

No final de 2015, o menino, então com 16 anos, iniciou o curso de informática como forma aplicada para cumprir a medida socioeducativa. Ele se esforçou bastante e acabou encaminhado ao mercado de trabalho. “Foi uma oportunidade de recomeço, para eu poder fazer o certo. Até então eu nunca havia trabalhado”, expõe.
Após o período de estágio em um cartório da cidade, hoje com 18 anos, Edgar acabou contratado em meio expediente. “Eu passei a ajudar em casa e sonho em fazer uma faculdade”, salienta.

Reincidência diminui na Comarca

- PUBLICIDADE -

O projeto criado pelo Judiciário em Sombrio teve início em 2014, com o apoio das prefeituras dos municípios que abrangem a comarca. Naquela época, conforme o juiz Evandro Volmar Rizzo, percebia-se que as medidas aplicadas aos menores não eram cumpridas, o que desencadeava na realização de audiências de justificativa. “Com este trabalho conseguimos zerar estas audiências e abrir mais espaço na pauta”, explica o magistrado.

Com o projeto, o índice de reincidência também diminuiu. Dos 51 adolescentes que participaram das oficinas oferecidas, apenas quatro reincidiram na prática de atos infracionais e 11 foram encaminhados ao mercado de trabalho. Durante sete meses estes menores são acompanhados por uma equipe que busca conhecer a fundo a realidade e a família de cada um deles. Além disso, eles passam por oficinas de corte e costura, informática e vendas, de acordo com o perfil.

O ato infracional, de acordo com Rizzo, é a ponta de todos os problemas enfrentados pelo adolescente. “Nossa tentativa é corrigir este menor fazendo-os conhecer novas oportunidades e bons exemplos. Participar do projeto pode ser o diferencial no futuro deles. Alguns praticavam atos mais leves e cresciam nos crimes”, comenta.

*Nome fictício

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Sombrio

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.