Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Em 1975, a ONU oficializou o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher. A data foi criada com objetivo de relembrar as lutas sociais, políticas e econômicas das mulheres. Em 1977, a data também foi adotada pelas Nações Unidas. Hoje, é registrado muitos casos de violência contra a mulher e por isso, nesse dia, cabe a reflexão sobre essas situações que merecem ser mudadas.

- PUBLICIDADE -

A violência contra mulheres por razões de gênero é um fenômeno global, além de uma grave violação dos direitos humanos. Nos últimos 12 meses, em Santa Catarina, 41.940 mulheres foram vítimas de alguma forma de agressão física, uma média de 116,5 agressões por dia.

Embora, no Brasil, a violência seja um fenômeno reconhecidamente presente na vida de milhões de mulheres, não existem estatísticas sistemáticas e oficiais que apontem para a magnitude deste fenômeno, com exceção de alguns poucos estudos realizados por organizações não governamentais na área de violência doméstica. Informação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do Ministério da Justiça e Cidadania.

Configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial (artigo 5º da lei nº 11.340/2006 – Lei Maria da Penha).

No caso de violência, a vítima poderá recorrer ao 180 e para a própria Polícia Militar no 190 para que esse tipo de situação não aconteça mais e o agressor seja punido.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.