Prefeitos querem reunião com a ANTT sobre a instalação da praça de pedágio na BR-101/Sul

O pedágio seria referente ao trecho norte gaúcho, até o município de Osório, mas teria praça de pedágio montada no lado catarinense, no município de São João do Sul, com estimativa de cobrança de R$ 9,70 por veículo

A reunião dos prefeitos aconteceu na sede da Amesc. (Foto: Divulgação/DN)
- PUBLICIDADE -

Criciúma

O presidente da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) e prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin (PP), participou da reunião dos prefeitos da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc) para tratar da instalação da praça de pedágio que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) planeja instalar na BR-101, no município de São João do Sul. O encontro aconteceu na sede da Amesc, em Araranguá.

- PUBLICIDADE -

O pedágio seria referente ao trecho norte gaúcho, até o município de Osório, mas teria praça de pedágio montada no lado catarinense, no município de São João do Sul, com estimativa de cobrança de R$ 9,70 por veículo. “Nos sentimos envolvidos”, declarou Magagnin, que disse que a Região precisa ser ouvida, e colocou a Amrec à disposição. “Precisamos ser ouvidos. Não fomos convidados para nada até o momento”, afirmou o presidente.

O prefeito de São João do Sul, Moacir Francisco Teixeira (PSD), relatou que esteve na audiência pública realizada em Porto Alegre, e que ficou sabendo da instalação da praça de pedágio no momento em que recebeu um convite para participar da audiência. Segundo Teixeira, a justificativa dada pela ANTT para montar o pedágio em São João do Sul é que, caso o pedágio fosse montado no lado gaúcho, a estrada do mar serviria de rota de fuga. “Se a gente não se mobilizar rápido, pouco teremos o que fazer depois”, declarou. Segundo o prefeito de São João do Sul, o ISS arrecadado, por exemplo, vai quase todo para o estado vizinho, já que dos 100 quilômetros correspondentes, apenas 7 quilômetros (São João do Sul e Passo de Torres) fica em solo catarinense, ficando apenas 1,5% do imposto com São João do Sul.

Os prefeitos decidiram que um ofício, assinado pelos 27 prefeitos do sul (12 da Amrec e mais 15 da Amesc), será enviado para ANTT pedindo uma audiência pública para debater o tema.

Saiba mais:

Governo federal lança projeto de concessão para a BR-101/Sul

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.