Içara: ação judicial afugenta interessados em leilão

Primeira tentativa de vender área de 5,5 mil metros quadrados, avaliada em R$ 2,9 milhões, conta com cinco interessados, mas nenhum lance

Foto: Francis Leny/DN
- PUBLICIDADE -

Bruna Borges

Içara

- PUBLICIDADE -

A Prefeitura de Içara viu frustrada na tarde desta terça-feira, 29, a primeira tentativa de leiloar o terreno de 5,5 mil metros quadrados, da antiga caixa de carvão, no centro da cidade. Do tipo “maior lance” o leilão foi iniciado, nas dependências da Câmara Municipal, com um interessado participando presencialmente e mais quatro online. Porém, ninguém chegou a fazer lances para o terreno avaliado em R$ 2,9 milhões. Conforme o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Paulo Roberto Brígido, os interessados se sentiram desmotivados devido a uma ação ingressada na Justiça por um advogado da própria Prefeitura, que contesta o leilão. “Mantivemos o leilão por entender que está tudo certo, mas os interessados ficarão receosos com a ação. Agora, vamos esperar o desenrolar jurídico”, pontua Brígido.

Dinheiro para a nova sede do Paço

O objetivo da Administração Municipal com o leilão é arrecadar dinheiro para iniciar a construção da nova sede da Prefeitura, em 7 mil metros quadrados. A intenção é construir um prédio de sete andares numa área que corresponde a 30% da praça que fica em frente à atual sede. A estrutura que hoje abriga a Prefeitura seria reformada para funcionar a Câmara de Vereadores. “Cinco secretarias funcionam hoje fora da estrutura do Paço. Com o novo prédio, podemos economizar R$ 1 milhão por ano com aluguel”, ressalta o secretário de Desenvolvimento Econômico, lamentando a ação do servidor público contra a Administração. “Levamos quatro meses para organizar o leilão. Ele, como funcionário do setor jurídico, poderia ter nos orientado se achava que tinha alguma coisa errada. Mas, na última semana, montou o processo e foi para a Justiça. Ao meu ver, é um ato político”, protesta.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.