COM FOTOS E VÍDEO: Servidores protestam em frente à Prefeitura de Criciúma

Desde as primeiras horas da manhã, trabalhadores estão instalados em frente à Prefeitura; Categoria pede mais atenção em reajustes; Prefeitura mantém posição e afirma que nenhum direito será cortado

- PUBLICIDADE -

Giovane Marcelino / Especial
Criciúma

 
A segunda-feira começou agitada em Criciúma. Desde às 6h, membros do Sindicato dos Servidores de Criciúma e trabalhadores se instalaram em frente ao prédio da Prefeitura de Criciúma, no bairro Ceará. O motivo da paralisação de setores como educação e saúde é o reajuste salarial e de direitos, onde segundo o sindicato, direitos serão retirados dos servidores. Já membros da Administração Municipal estiveram desde cedo em rádios da região afirmando que nenhum direito será retirado. Uma assembléia será realizada hoje, às 17h, onde se não houver uma nova proposta, poderá ser declarada a greve dos servidores.

- PUBLICIDADE -

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Criciúma e Região, Jucélia Vargas, os trabalhadores aguardam mais consideração por parte da administração. “Informamos há mais de uma semana da decisão de assembléia e continuar em estado de greve. Importante que a população entenda, que a cada passo, um oficio é encaminhado a prefeitura para negociar. Desde o dia 22, que foi definido a paralisação hoje, aguardamos a semana toda para negociar, mas não fomos procurados”, informou.

Na pauta de negociações entre as duas partes, 61 direitos foram apresentados, mas alguns com itens negados. “O prefeito quer retirar direitos com abono. Servidores estão se sentindo desvalorizados e indignados. Queremos que os serviços públicos continuem com qualidade. Aguardamos que o prefeito dê jeito, como assim ele foi eleito. Aguardamos um contato para que se preciso, novamente possamos ver os itens e chegar a uma negociação”, complementou Jucélia.

 
“O governo não é a casa da mãe Joana”

Desde a noite de domingo, com a divulgação de uma nota oficial por parte de sua assessoria de imprensa, a Administração Municipal de Criciúma que afirmou que se atender os benefícios solicitados irá impactar em um gasto de mais de R$ 35 milhões/ano, valor inviável, tendo vista o momento difícil na economia. Por isso, desde cedo, o Prefeito Clésio Salvaro, o vice-prefeito Ricardo Fabris e o secretário da Fazenda Robson Gotuzzo, percorreram as rádios durante a manhã para fazer esclarecimentos.

De acordo com o prefeito, é necessário levar o dinheiro do contribuinte a sério . “Nenhum direito foi tirado. Aquele que está garantido na constituição será mantido. Aquilo que eles estão pedindo foge de condição do caixa da prefeitura. Eles pedem aumento no cupom alimentação em um valor que gerará custo de R$ 13 milhões / ano, além da redução de carga horária. Aqui não é a casa da mãe Joana”, afirmou.

Salvaro afirmou não ter condições de atender todas as solicitações. “Não tem como atender, só se dobrar o ISS. Nós aceitamos a greve, mas também a de se respeitar quem quer trabalhar. Acabou a moleza. Se o governo for conceder o que for pedido, vai impactar em R$ 35 milhões, sendo que a prefeitura já tem déficit de 85 milhões”, falou.

 
Assembléia define ainda hoje o futuro da categoria

Durante o dia, servidores ficarão acampados em frente ao prédio da Prefeitura Municipal. Um carro de som foi estacionado no portão principal, bloqueando a entrada de veículos no local. Trabalhadores levaram cadeiras e tendas foram montadas no local.

Às 17h, uma nova assembléia será realizada, em frente à prefeitura, onde será decidido se a categoria entra ou não em greve. “Pedimos a população de Criciúma que nos apóiem mais uma vez. Se chegar uma proposta e for aprovada, voltamos ao trabalho amanhã. Se continuar a retirada de direitos, a greve será decretada no fim do dia de hoje, comunicando a prefeitura e a população e definindo o dia de paralisação”, finalizou a presidente do Sindicato, Jucélia Vargas.

 

Confira imagens:

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.