Alesc aprova financiamento bilionário à Celesc

O futuro do fornecimento de energia no Estado está previsto no plano de obras para o quinquênio 2018-2022

Foto: Agência AL
- PUBLICIDADE -

Bruna Borges
Criciúma

A pressão que servidores da Celesc e Governo do Estado fizeram aos deputados da Assembleia Legislativa (Alesc) deu resultado e nesta quarta-feira, 27, foram aprovados em Plenário os dois projetos de lei (PL 212/2017 e PL 213/2017) que tratam da contratação de financiamentos internacionais pelas Centrais Elétricas de Santa Catarina.
Os projetos autorizam o Estado, controlador da Celesc, a oferecer contragarantias nas duas operações de crédito a serem firmadas, respectivamente, com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), totalizando 345 milhões de dólares (aproximadamente R$ 1,1 bilhão), a serem investidos em um programa de infraestrutura energética.
O futuro do fornecimento de energia no Estado está previsto no plano de obras para o quinquênio 2018-2022, que para o Sul prevê a construção da Subestação Criciúma III até 2021, ampliações de subestações em Içara, Sombrio, Orleans e Criciúma (Floresta), assim como linhas de distribuição abrangendo Criciúma, Içara, Orleans, Forquilhinha, Siderópolis, Turvo, Ermo, Sombrio e Praia Grande.
Agora, os projetos serão enviados para sanção do governador Raimundo Colombo (PSD).

- PUBLICIDADE -

Sem unanimidade

Apesar da maioria de votos favoráveis, houve ressalvas quanto ao alto valor dos empréstimos, a necessidade de proteger a Celesc de variações bruscas na cotação do dólar, além da ausência de contragarantias por parte dos acionistas privados da empresa. No entanto, o líder do governo na Alesc, Darci de Matos (PSD), ressaltou que é vantajoso, pois, além da carência de cinco anos para pagamento, a quitação ocorrerá em 25 anos, com juros considerados baixos.
Dois votos contrários partiram dos deputados Rodrigo Minotto (PDT) e Kennedy Nunes (PSD).

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.