Transporte Público: Administração confirma que não foi informada sobre paralisação

Uma reunião foi convocada para as 14h desta sexta-feira e deve contar com as empresas que atuam no transporte coletivo urbano de Criciúma e ASTC

Foto: divulgação
- PUBLICIDADE -

A Prefeitura de Criciúma emitiu, na manhã desta sexta-feira, 3, nota sobre a paralisação do transporte público da cidade na noite de quinta-feira, 2. “A Prefeitura de Criciúma, através da Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma (ASTC), esclarece que não foi informada sobre a decisão de manter os ônibus do transporte coletivo urbano em circulação somente até as 22h”, relata o texto.

Confira a nota na íntegra:

- PUBLICIDADE -

A Prefeitura de Criciúma, através da Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma (ASTC), esclarece que não foi informada sobre a decisão de manter os ônibus do transporte coletivo urbano em circulação somente até as 22h. Válida até domingo (5), a medida foi tomada após reunião – na qual a ASTC não foi convidada – entre Associação Criciumense de Transporte Urbano (ACTU) e comando da Polícia Militar.

A Administração Municipal compreende o motivo de segurança adotado pelos órgãos, uma vez que, na quarta-feira (1°), um ônibus foi criminalmente incendiado no bairro Ana Maria. Todavia, a Prefeitura de Criciúma repudia a forma que a decisão foi tomada e, a fim de garantir o bem-estar dos usuários do transporte coletivo, convocou uma reunião para esta sexta-feira (3), às 14h, entre as empresas que atuam no transporte coletivo urbano de Criciúma e ASTC.

O Governo de Criciúma não mede esforços para melhor atender os munícipes que utilizam o sistema de transporte urbano da cidade.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.