Satc completa 58 anos com boas histórias para contar

Marca da instituição está na formação intelectual e humana de homens e mulheres, mas também na dedicação de seus funcionários

- PUBLICIDADE -

 

Profissionais que se dedicam a uma instituição há 46, 42, 35, 10 anos. Presenciam transformações, bons e maus momentos, mudanças e conquistas. E boas histórias não faltam na Satc que completa 58 anos de fundação neste 2 de maio.

- PUBLICIDADE -

Lembranças boas como as de Maria da Graça Cabral integrante do quadro de funcionários há 42 anos. “A Satc faz parte da minha vida. Tudo que tem, tudo que faz, a transformação que promove na vida das pessoas. Isso dá muito orgulho”. A escola fundada pela indústria do carvão mineral é um celeiro de talentos. Hoje, são 7 mil estudantes da educação infantil ao ensino superior e quase 700 colaboradores que se encontram diariamente.

Dona Graça chegou aqui em junho de 1975, uma época em que a escola se abria para receber as primeiras alunas e as primeiras colaboradoras. “Além de mim tinha outras cinco mulheres apenas e umas poucas alunas que entraram um ano antes”, lembra. Ela começou atuando como chefe de Secretaria. Passou pela supervisão pedagógica e hoje é a coordenadora geral do Colégio Satc.

Nesses 42 anos de dedicação à instituição, dona Graça viu transformações. Umas boas, outras nem tanto. Viu quase a escola fechar completamente em 1991, com a crise da indústria carbonífera. “Tivemos que fechar o ensino fundamental. Fui levar o comunicado a Florianópolis, mas fui chorando”, recorda-se.

Se o coração ficou apertado ali, acompanhou que a dificuldade fez surgir uma escola mais forte e integrada à comunidade, que continua aberta ao filho do mineiro, mas que recebe a todos. Pacificadora por natureza, a filha de dona Lucília e seu Manoel, sabe que é preciso se reinventar constantemente. “Me proponho às mudanças, procuro sempre olhar pra frente, entender que geração é essa que estamos lidando. E uma das coisas que mais me dá prazer é ver a dedicação dos nossos professores, o carinho que têm com os alunos”, argumenta.

“Acreditamos na formação que a gente dá”

Pensar na Satc é relembrar a trajetória de muitos que fizeram e fazem parte do crescimento da escola. Há 35 anos trabalhando na instituição, o coordenador do Técnico em Design de Interiores, Daniel Valentin Vieira, é exemplo de dedicação e amor pelo ensino.

O professor está entre os funcionários mais antigos do colégio e se orgulha em fazer parte da história destes 58 anos. “É bom demais ver que a formação dada na Satc fez a diferença na vida de muitos alunos. Eu fico muito feliz porque isso significa que nós acreditamos no conhecimento que construímos aqui”, enfatizou.

Pelos corredores da escola, muitas lembranças e realizações ao longo das quase quatro décadas na instituição. Daniel também foi estudante do colégio e em 1981 ingressou como estagiário. “Eu fazia os desenhos nas apostilas da Satc e ajudava em várias áreas porque sempre fui muito organizado e metido”, brincou. Desde 2000 coordena o curso Técnico de Design de Interiores.

Dos momentos marcantes, o professor se emociona ao recordar lições repassadas e aprendidas com os alunos. “Certa vez um dos estudantes me contou que auxiliou uma senhora que precisava de ajuda num ônibus. Ele veio me falar que lembrou das minhas aulas, quando eu falava da importância do respeito ao próximo. Talvez esse aluno nem tenha apreendido a desenhar a melhor peça, mas aprendeu muita coisa sobre os valores da vida”, contou entre lágrimas.

Questionado sobre o que ele sonha para a Satc nos próximos anos e no dia do aniversário da instituição, prontamente o coordenador respondeu. “Quero essa escola sempre cheia e contribuindo para o desenvolvimento da sociedade”.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.