Municípios reclamam falta de repasse de medicamentos

Maioria dos processos envolvem o Governo do Estado, que garante regularizar a situação em março. Ao todo, são cerca de 2 mil ações na Amrec

- PUBLICIDADE -

Marciano Bortolin
Criciúma

Todos os meses, diversos pacientes entram com ações na Justiça requisitando medicamentos. O principal réu dos processos é o Governo Estadual e a maior reclamação de quem necessita dos remédios é o atraso no envio.

- PUBLICIDADE -

O gerente de Saúde da Amrec, Fernando de Fáveri, explica que um dos principais problemas é que a maioria está judicializando a marca dos remédios. “O melhor seria fazer a ação do genérico, o que tornaria mais barato para o Estado e facilitaria a aquisição e disponibilização”, salienta.

Ao todo, são mais de dois mil processos nas 12 cidades da Amrec. “Este número era de pouco mais de 100 há alguns anos. Mas acredito que tudo será melhorado em março, pois mais de 70% das licitações estão em andamento”.

Urussanga, por exemplo, recebe em média 20% dos medicamentos solicitados. “Hoje são cerca de 67 pacientes atendidos pelo município, totalizando 190 medicamentos, sendo que as compras custam cerca de R$ 20 mil por mês”, revela a Diretora de Saúde, Izolete Vieira Gastaldon.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.