Movimento chama atenção no Centro Cultural Jorge Zanatta

Acadêmicos, professores e a população civil tem realizado uma ocupação no prédio com o intuito de chamar a atenção do governo e das pessoas

Foto: Vitor Netto/Especial DN.
- PUBLICIDADE -

Vitor Netto/Especial DN

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Desde o incêndio no Centro Cultural Jorge Zanatta no domingo, dia 10, uma movimentação está sendo realizada pelos acadêmicos dos cursos de História, Arquitetura, Artes, Letras e Biologia da Unesc, juntamente com alguns professores e a sociedade civil, em prol do prédio. Uma ocupação no prédio está sendo realizada desde quarta-feira, dia 20 e segue até a sexta-feira, dia 22.

Nesta quarta-feira, os estudantes estão movimentando o local para chamar a atenção da população. “O nosso objetivo é realizar uma intervenção e chamar a atenção da sociedade e dos políticos da região para cuidar do prédio. Infelizmente não é dada a importância necessária que esse prédio merece”, explica a presidente do Centro Acadêmico de História e participante do movimento, Raiane Layra Souza.

Além de chamar a atenção da população, outras atividades estão sendo realizadas no local. “Hoje temos uma professora dando uma oficina de argila, ensinando os participantes como fazer peças utilizando o material”, pontua Raiane.

Abandono

“Eu estudei cinco anos aqui, em aulas de violão, e é muito triste ver o que está acontecendo com o prédio. Ele já estava abandonado, agora com o incêndio, ele não pode ficar mais abandonado ainda, temos que chamar a atenção”, comenta a participante do movimento Larissa Mezari Pacheco.

A iniciativa dos participantes tem gerado efeitos. “Diversas pessoas nos procuram perguntando o que estamos fazendo, e sempre nos parabenizam pela iniciativa”, enfatiza Raiane.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.