- PUBLICIDADE -

Criciúma

Com 86,99% dos votos, o atual secretário do Sindicato, João Batista Martins Estevam é eleito presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Criciúma e região (Sindisaúde). A gestão é de quatro anos (2017-2021).

- PUBLICIDADE -

A eleição foi realizada nos dias 8 e 9 de fevereiro, quarta e quinta. Com chapa única, dos 3.140 votantes, 1.859 disseram sim, 249 disseram, 19 votaram em branco e 10 anularam. O atual presidente, Cléber Ricardo da Silva Cândido, segue na direção com tesoureiro. O presidente eleito agradece a todos os associados pelo voto de confiança e reafirma o compromisso de manter a luta em defesa de todos os trabalhadores. “Apesar do trabalhador da saúde ser muito desvalorizado em todos os pais, não podemos desistir de buscar ações para conquistar melhores condições de trabalho, salário e, ainda sobrar tempo para a família”, pontua o presidente eleito. Ele destaca o papel da força feminina na categoria em 87,3% com dupla e até tripla jornada. “São guerreiras e merecem mais respeito”, analisa.

Sindisaúde - foto reproduçãoEntre as principais proposta da nova gestão estão: fiscalizar as ações das empresas que empregam a  categoria; ampliar os convênios de serviços que atendem os associados; ampliar assistência jurídica; fortalecer as campanhas salariais e de condições de trabalho para ampliar as conquistas; ampliar a sede recreativa com mais salões de eventos e mais uma piscina e, criar um portal da transparência para que os associados tenham de forma mais simplificada o acesso as informações financeiras do sindicato.

Foram disponibilizadas oito urnas em diversos locais de Criciúma e vale do Araranguá para a votação. A  posse será realizada dia 6 de maio.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.