Empresas de ônibus de Criciúma ganham liminares na Justiça

Medidas evitam que manifestantes impeçam motoristas e passageiros de circularem nos terminais urbanos nesta sexta-feira, 28, durante a Greve Geral. Sindicato continua anunciando 100% de paralisação

Foto: Arquivo DN
- PUBLICIDADE -

Bruna Borges

Criciúma

- PUBLICIDADE -

A Associação Criciumense de Transporte Urbano (ACTU) e a Expresso Coletivo Forquilhinha ganharam na Justiça, nesta quinta-feira, 27, liminares (ordens judiciais provisórias) evitando que manifestantes impeçam motoristas e passageiros de circularem nos terminais urbanos nesta sexta-feira, 28, durante a Greve Geral.

Conforme o advogado das empresas, Robinson Kraemer, a liminar da ACTU foi concedida pela 2ª Vara Cível de Criciúma determinando que os manifestantes fiquem a 200 metros dos terminais e não impeçam os ônibus e passageiros de circularem. A liminar da Expresso Coletivo Forquilhinha, expedida pela 1ª Vara do Trabalho de Criciúma, vai no mesmo sentido, liberando os pontos das empresas e os terminais e determinando que os manifestantes não impeçam passageiros e trabalhadores de circularem. “Há a possibilidade de adesão dos motoristas à paralisação. As empresas não têm como obrigar eles a trabalharem. Porém, as empresas estão prontas para colocar a frota completa na rua”, comunica Kraemer.

Sem clima

Ainda segundo o advogado, não há clima para os motoristas pararem, já que não se está discutindo direitos específicos da categoria como o dissídio. “Não podemos chamar esta paralisação de greve e a Justiça do Trabalho não está enquadrando como greve. Greve é quando o trabalhador está discutindo com a empresa uma solicitação/direito da categoria”, define.

O presidente do Sindicato dos Condutores de Veículos e Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Cargas e Passageiros de Criciúma e Região (Sintracril), Clésio Fernandes, o Buba, discorda da posição do advogado, dizendo que os motoristas estão dispostos a aderir à paralisação em 100%. “Não haverá transporte” enfatiza.

Saiba mais:

ACTU buscará judicialmente circulação de frota mínima na sexta-feira

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.