- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Foto: Lucas Colombo

Depois de ser acusado de praticar anti-jogo diante do Inter, no sábado, em Porto Alegre, o técnico Luiz Carlos Winck rebateu com uma pergunta, após o empate contra o Paysandu. “Se falou muito que a minha equipe fez anti-jogo em Porto Alegre, então imagina o que o Paysandu fez aqui”, disse. O comandante tricolor lamentou a “cera” do Papão, mas diz que infelizmente o Tricolor Carvoeiro vai encontrar isso pela frente.“A gente fica irritado na hora, mas infelizmente nós vamos encontrar isso. Nós também temos que criar isso, fora de casa, para irritar os adversários. É uma pena. Eu chamei a atenção do bandeira porque na última vez do goleiro, ele deveria ter sido expulso. Não é possível repetir toda hora aquele movimento de cai e levanta dele. Dez minutos onde você fica parando o jogo toda a hora, acaba tirando o poder de reação da equipe mandante. Nós tivemos bons momentos no segundo tempo, mas foi quebrando o ritmo. Mas, cabe a direção reclamar da arbitragem, eu não vou falar. A gente fica triste vendo os jogadores fazendo tanto anti-jogo como eles fizeram no segundo tempo”, comentou.

Winck, porém, admitiu que a equipe esteve muito abaixo, principalmente no primeiro tempo.“Sendo bem realista: nosso primeiro tempo não foi bom. Nós fomos apáticos e talvez aquela questão de vir com bons resultados e achar que vai ganhar o jogo a hora que quiser. No segundo tempo, melhoramos muito, conseguimos circular mais, tivemos dificuldades para furar o bloqueio do adversário. Nós precisamos trabalhar mais rápido as inversões de bola e melhoramos, conseguimos chegar com cruzamentos, mas precisávamos de mais chegada na área, não apenas com o Lucão. O importante foi recuperarmos o resultado, não sair com a derrota foi importante neste jogo, porque o adversário se propôs a jogar no contra-ataque o tempo todo”, enfatizou.

A entrada de Alex Maranhão e Jocinei mudou a cara do time, na etapa final. “Busquei a entrada do Maranhão porque tem a finalização de meia distância, a bola parada boa, a jogada de sair de dentro para o lado esquerdo e a entrada de bola. O Jocinei também melhorou muito a circulação de bola no meio-campo, precisávamos ser mais rápidos com inversões de bola e ele tem o passe longo bom, então, os dois que entraram deram um levante na equipe. Isso é importante porque precisamos contar com o banco também”, finalizou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.