Voluntariado como instrumento da educação

Iniciativa da Fiesc conta com atuação em mais de dez escolas de Criciúma

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

O voluntariado em prol da melhoria da educação de Santa Catarina. Este é o intuito do projeto “Eu Voluntário: Deixando o Meu Legado” idealizado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), por meio do Movimento Santa Catarina pela Educação. Em 2016, ano em que o projeto passou a ser executado, Criciúma contabilizou 13 ações concluídas em dez instituições do município.

- PUBLICIDADE -

O intuito é reunir voluntários com competências a fim de desenvolver ações que contribuam com o sistema e o processo de ensino e aprendizagem nas escolas da rede pública ou de instituições de educação sem fins lucrativos, visando a melhoria dos indicadores educacionais.

Segundo a gestora do projeto no Sul do Estado, Simoni Miguel Gonçalves, para participar, os voluntários se inscrevem em uma plataforma no site da entidade e apontam em quais áreas gostariam de atuar, além da disponibilidade para a atividade voluntária. “Há profissionais em áreas distintas, como psicologia, enfermagem, profissionais liberais e professores, portanto, qualquer pessoa que acredite que possa contribuir com a educação pública”, explica Simoni.

Ao fazer o cadastro, o interessado define o que pode fazer pelas escolas, podendo ser palestras, aulas de reforço, capacitações, atividades lúdicas, recreativas, de incentivo à leitura, dentre outras. “Tendo estas informações dos interessados realizamos a aproximação entre escola e voluntários”, complementa a gestora.

As ações são realizadas de acordo com a necessidade das instituições, que também fazem o cadastro na plataforma e as indicam. Uma visita é realizada no ambiente escolar, sendo desenvolvida toda a articulação entre a escola e o voluntário.

Uma das instituições participantes do projeto é a Escola Municipal Filho do Mineiro, no bairro Metropol. De acordo com a diretora da instituição, Lilian Pizoni Bonfanti Corrêa, foram inscritas na plataforma seis palestras, sendo que quatro delas já foram marcadas e duas realizadas. Uma delas teve como foco a aproximação dos pais na escola, com o tema “O Papel dos Pais na Vida Escolar dos Filhos”.

“Os pais estão cada dia mais distantes da escola, sendo isso uma realidade em todas as instituições. Este momento fez com que nós os aproximassem do ambiente escolar. Queremos que os pais participem do ensino, estejam na escola, assistam as aulas com os seus filhos”, ressalta a diretora do colégio, que atende em torno de 500 alunos, do 1º ao 9º ano, além dos mais de 100 alunos do Programa de Educação de Jovens e Adultos (Proeja).

De acordo com a voluntária do projeto e psicóloga responsável pela palestra, Regina Rabelo, os momentos são positivos, uma vez que os pais ficam atentos e fazem questionamentos sobre o tema. “Sabemos que a rede pública não possuí um número de psicólogos suficientes e acredito que, por ser da área, posso contribuir para desenvolver habilidades e competências necessárias para a nossa educação do século 21”, destaca.

Neste ano, a intenção é chegar a 30 ações na região de Criciúma, sendo que 120 voluntários estão cadastrados e 18 ações já foram realizadas. A nível estadual, os números são expressivos, com 340 instituições de ensino cadastradas, 501 ações realizadas por 2.281 voluntários, sendo mais de 42 mil pessoas atingidas.

Em Criciúma, as escolas participantes são: Jorge da Cunha Carneiro; Sebastião Toledo dos Santos – Colegião; Filho do Mineiro; Professor Lapagesse;  Ângelo Felix Uggioni, Professora Lili Coelho; Joaquim Ramos; Serafina Milioli Pescador; Giacomo Búrigo e Bairro da Juventude.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.