Metalúrgicos em estado de greve

São cerca de 1,4 mil trabalhadores na Região atuando nas seis maiores metalúrgicas de médio a grande porte em Criciúma, Araranguá e Cocal do Sul

- PUBLICIDADE -

Na segunda Assembleia realizada ontem, 27, no Sindicato em Criciúma, os metalúrgicos rejeitaram em votação secreta a proposta oferecida pelo Sindicato Patronal – Sindimaq de somente 2,6% do INPC  do  período e deflagraram estado de greve. Os trabalhadores reivindicam os 2.6% da inflação mais 3% de aumento real, um total de 5% de ganho entre outros itens. “Sabemos que as empresas podem melhorar a proposta e vamos lutar para melhorar o percentual”, pontuou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Criciúma e Região (Sinmetal), Francisco Pedro dos Santos. O Sindicato deve continuar as negociações com o patronal e buscar avançar na proposta. Uma nova Assembleia ficou agendada para o dia 07 de agosto, às 19h, na entidade. “Se os números não avançarem os trabalhadores deverão aprovar a paralisação”, avaliou Francisco. A data-base da Convenção Coletiva da categoria é 1º de julho. São cerca de 1,4 mil trabalhadores na Região atuando nas seis maiores metalúrgicas de médio a grande porte em Criciúma, Araranguá e Cocal do Sul entre elas a Icon de Criciúma, CMC e Cardal de Cocal do Sul e Metalúrgica Pagé de Araranguá.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.