Latam pode ser alternativa para problema de voos em Jaguaruna

Presidente da Acic esteve reunido nesta quarta-feira com o diretor comercial da RDL Aeroportos

Foto: Divulgação/DN
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Em busca de solucionar o horário de voos no Aeroporto Regional Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna, o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), César Smielevski, esteve reunido na manhã desta quarta-feira, 9, com o diretor comercial da RDL Aeroportos, André Constanzo.

- PUBLICIDADE -

Com o anúncio da Azul Linhas Aéreas em suspender os voos da companhia que partem pela manhã de Jaguaruna com destino a São Paulo e retornam no fim do dia, a preocupação da Acic e das entidades empresariais do Sul aumenta com a possibilidade de inviabilizar o aeroporto no prazo de um ano. “A RDL se mostrou também muito preocupada com a perda desses horários de voos e nos disse que está em contato com a Azul numa tentativa de reverter a decisão. Além disso, a administradora fez contato com a Latam para que estude a possibilidade de ofertar os horários atuais da Azul”, explica Smielevski. A Latam Airlines Brasil solicitou um prazo de 15 dias para analisar a proposta. Conforme o presidente da Acic, a Gol Linhas Aéreas também manifestou interesse em operar no aeroporto.

Ainda conforme Smielevski, os voos da Azul têm ocupação média de 80%, o que não justifica inviabilidade técnica. Na tarde desta quarta-feira, o presidente da Acic também esteve reunido com o secretário da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Criciúma, João Fabris, para tratar do assunto. “Durante o encontro conversei com o diretor de Transportes da Secretaria de Estado da Infraestrutura, José Carlos Müller Filho, que também se mostrou empenhado no assunto”, reforça Smielevski.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.