Terrenos baldios geram reclamações e riscos à população

Locais tomados pelo mato e entulhos geram descontentamento em moradores e pedestres que circulam por Criciúma

Foto: Francis Leny/DN
- PUBLICIDADE -

Transitando pelos bairros de Criciúma, não é difícil encontrar terrenos baldios que apresentam riscos a pedestres e moradores das proximidades. Locais com mato alto e abundante – que já se espalha também sobre as calçadas – e com depósito de lixo e entulhos são comuns em todas as regiões. Além de prejudicar a parte estética da cidade, criando um visual de desleixo, esses lugares ainda apresentam riscos à população, sendo criadouros de insetos e animais e ponto de uso de drogas.

Por esses fatores, os terrenos abandonados geram reclamações de moradores vizinhos, que sofrem com o descaso. Um local abandonado é o que está situado na rua Deoclésio Pereira Maciel, no bairro Pinheirinho. “Aquele ali está uma calamidade. Ele tem dono. Ele já foi multado, mas não adianta. Ele não vem limpar esse terreno. É bem defronte à avenida [Centenário], um lugar bonito e o terreno desse jeito ali”, exclama a lavadeira Rosinete Zeferino, que mora nas proximidades.

- PUBLICIDADE -

 

Encaminhamentos

De acordo com o presidente da Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri), Giovano Izidoro, os encaminhamentos das reclamações são dados conforme cada caso. Quando há apenas a presença de matagal, a ação fica a cargo da Divisão de Planejamento Físico e Territorial (DPFT) da prefeitura. Já quando há o depósito de entulhos, a Famcri precisa ser acionada. “Quando tem lixo, aí sim o dono pode ser notificado. Aí ele tem que limpar e cercar o terreno. Se for reincidente, pode ser multado. Mas isso é raro, porque, quando acontece isso, normalmente os donos resolvem”, esclarece.

Em ambos os casos, as denúncias podem ser feitas pelo telefone 156.

 

Confira a reportagem completa na edição desta terça-feira, 21, do jornal Diário de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Suelen Bongiolo
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.