Pneumologista é imortalizado na Academia de Medicina de SC

Com mais de 50 anos de carreira, Dr. Albino José Souza Filho foi consagrado por sua contribuição social e científica

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Florianópolis

A trajetória de mais de meio século dedicado à medicina recebeu mais um reconhecimento nesse fim de semana. O médico pneumologista Albino José Souza Filho foi imortalizado ao ser reconhecido como membro titular da Academia de Medicina do Estado de Santa Catarina (Acamesc), título concedido pela Associação Catarinense de Medicina (ACM), em Florianópolis. Dr. Albino passa a ocupar a cadeira de número 50, que tem como patrona a médica pediatra Zilda Arns, falecida em 2010.

- PUBLICIDADE -

“É uma honra muito grande ser o primeiro médico de Criciúma a conquistar esta honraria, estar neste seleto grupo de 50 médicos renomados. Você não trabalha pensando em homenagem, mas é muito gratificante ser agraciado pelo trabalho dedicado aos pacientes, além de toda a sua contribuição científica”, frisa o homenageado.

Paranaense formado pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) em 1963, Dr. Albino concluiu a residência médica no Rio de Janeiro em 1967, onde iniciou a jornada profissional. Em 1968, casou-se ainda no Rio de Janeiro, teve a primogênita e, posteriormente, à convite de um colega de Criciúma, mudou-se para a maior cidade do Sul do Estado, onde o casal teve mais dois filhos e três netos.

Instalado em Criciúma, Dr. Albino foi reconhecido, em 1985, com o prêmio da Academia Nacional de Medicina (ANM) como o melhor trabalho original brasileiro. Em conjunto com o médico patologista Sérgio Alice, o pneumologista desenvolveu uma pesquisa com os trabalhadores das minas de carvão da cidade, abordando sobre pneumoconiose, uma doença ocupacional causada pelo pó de carvão depositado nos pulmões dos mineiros.

Além da premiação, a pesquisa originou diversos trabalhos científicos, capítulos de livros e serviu como modelo para minas de todo o Brasil. Segundo o médico, em 2006, outra pesquisa foi realizada e demonstrou poucos casos da doença, apresentando formas iniciais de pneumoconiose e não apresentando mais formas avançadas, o que confirma a importância do trabalho desenvolvido e as alterações das leis trabalhistas e previdenciárias. “Este foi um marco e uma conquista muito grande também dos trabalhadores, dos mineiros que ajudaram a construir a nossa cidade”, destaca.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Florianópolis

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.