Palestra marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual

A programação foi organizada pelo Conselho Tutelar em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Secretaria de Saúde, Secretaria de Educação e Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

Foto Divulgação
- PUBLICIDADE -

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi marcado com a palestra “Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, voltada para os profissionais da rede de atendimento final e alunos do 9º ano das escolas de Nova Veneza. A palestrante foi a assistente social e especialista em políticas públicas, Rosimere Cândido, da cidade de Lauro Muller. A programação foi organizada pelo Conselho Tutelar em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Secretaria de Saúde, Secretaria de Educação e Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

 “Nosso município tem apoiado sob todos os aspectos esta luta, através da Secretária de Assistência Social, CRAS, Conselho Tutelar e do Conselho Municipal dos Direitos de Criança e do Adolescente, sempre com apoio das demais secretarias, especialmente as Secretarias Educação e Saúde. Esta ação não é isolada, as ações que garantem que nossas políticas públicas sejam efetivas nesta missão protetiva, devem contemplar as áreas de trabalho e renda, educação, saúde e habitação. Somente com famílias estruturadas poderemos vencer este mal. Deve nascer dentro de nossas casas, não se restringindo a ela. Devemos avançar nossas fronteiras estando atento ao que se passa ao nosso redor. Atitudes suspeitas, comportamentos estranhos deverão sim, ser por nós observados, verificados e denunciados”, comentou o secretário de Assistência Social, Renato Pieri.

- PUBLICIDADE -

Para a conselheira tutelar, Maria Gava a ação tem como principal objetivo de prevenir e chamar atenção da população de Nova Veneza sobre as questões de violência contra a criança e adolescente. “Nós últimos seis meses foram registrados no município sete casos e deste número já três confirmados. Os números demonstram que precisamos fazer um bom trabalho de prevenção e conscientizar para que sejam denunciados”, afirmou.

A palestrante explanou sobre o abuso e todas as formas de violência contra a criança e quais os sintomas apresentados sejam nas unidades de saúde ou nos serviços de convivências ou na rede de educação. “Um dia para chamar a atenção da população, da sociedade civil organizada, dos serviços que trabalham com criança e adolescente sobre o trato com as vítimas de exploração sexual, abuso sexual e todo tipo de violência. Nós apostamos nos trabalhadores da rede de serviços como da saúde, educação, assistência social, pessoas estas que passam o maior tempo com as crianças mais do que a própria família. Que esses trabalhadores sejam o viés para podermos identificar diversos tipos de violação de diretos contra a criança e adolescente. Nós precisamos considerar que o maior violador são pessoas que tem vinculo próximo, ou seja, existe uma relação de confiança. Nós costumamos dizer na área jurídica que é a lei do silêncio, pois ela sofre com a ameaça, tortura, o que acaba causando um segundo tipo de violência, a psicológica”, destacou.

Rosimere também deu ênfase sobre violência na internet e a exposição das crianças e adolescentes. “Antes nos tínhamos a televisão e hoje temos o telefone, as redes sociais e as crianças e adolescentes estão expostas cada vez mais a esse agente violador através da mídia e que precisamos estar atentos. Os pais e educadores necessitam estar em alerta para que as crianças estejam fazendo. O agente violador para a sociedade ele se mostra a melhor pessoa, o melhor cidadão. Não esta escrita na testa eu sou um violador. E a pessoa que gera uma violência contra causa consequências muito graves para a vida toda. Isso serão cicatrizes que por mais que se trabalhem as questões terapêuticas, que se garanta um atendimento de saúde adequado, esse marca continua na vida de uma criança. Por isso, a importância da rede e sociedade civil atuar como agentes de vigilância e evitar um dano maior”, finalizou.

Panfletagem

A ação foi concluída com uma panfletagem na praça com a equipe da Assistência Social, CRAS e Conselho Tutelar para mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos sexuais de crianças e adolescentes.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Nova Veneza

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.