Novas regras são definidas para a pesca da tainha

Temporada foi antecipada neste ano, começando nesta segunda-feira, 1º

Foto: Agência Brasil
- PUBLICIDADE -

Uma medida assinada pelos ministérios do Meio Ambiente (MMA), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), estabeleceu novas regras para a pesca da tainha no Sul e no Sudeste do país. A temporada de 2017 foi antecipada neste ano, começando nesta segunda-feira, 1º.

A portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) traz normas atualizadas que permitirão a exploração sustentável da espécie, com regras próprias para a pesca artesanal e industrial. As medidas seguem o plano de gestão da tainha, aprovado em 2015.

- PUBLICIDADE -

A norma contribuirá, ainda, para a adequação dos esforços de pesca da espécie com o objetivo de respeitar a capacidade de renovação dos estoques, considerados abaixo da condição mínima para o repovoamento natural devido à sobrepesca.

Modalidades

A temporada anual foi estabelecida de acordo com as especificidades da atividade. A modalidade de cerco será permitida entre 1º de junho e 31 de julho. Já a de emalhe costeiro de superfície é dividida conforme a arqueação bruta (AB) das embarcações. As com até 10 AB estão permitidas entre 15 de maio e 15 de outubro. Já as que ficam acima de 10, até 20 AB, poderão atuar de 1º de junho a 31  de julho.

A modalidade de emalhe costeiro que usa anilha está permitida entre 15 de maio e 31 de julho. Por fim, a atividade desembarcada ou não motorizada estará autorizada entre 1º de maio e 31 de dezembro.

Além disso, a portaria define que o esforço de pesca permitido para a frota de cerco é de, no máximo, 32 embarcações em decorrência do plano de gestão da espécie.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.